Macau acredita que Grande Baía vai expandir indústria de eventos no mercado internacional

O Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM) acredita que o projeto da Grande Baía vai permitir a expansão internacional da indústria de eventos da região, segundo um comunicado divulgado hoje pelas autoridades do território. Num discurso realizado no “China Expo Forum for International Cooperation”, que pela primeira vez teve lugar […]

O Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM) acredita que o projeto da Grande Baía vai permitir a expansão internacional da indústria de eventos da região, segundo um comunicado divulgado hoje pelas autoridades do território.

Num discurso realizado no “China Expo Forum for International Cooperation”, que pela primeira vez teve lugar em Macau e fora da China continental, a presidente substituta do IPIM, Irene Va Kuan Lau, disse que estavam reunidas as condições para que a indústria de eventos conquiste outros mercados internacionais, como o dos países lusófonos, com o novo projeto de integração regional.

O projeto da Grande Baía visa criar uma metrópole mundial a partir das regiões administrativas especiais chinesas de Hong Kong, Macau e nove cidades da província chinesa de Guangdong (Cantão, Shenzhen, Zhuhai, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing), com mais de 60 milhões de habitantes.

Irene Va Kuan Lau disse estar convicta de que o território vai beneficiar nesta área do seu posicionamento enquanto “centro mundial de turismo e lazer” e “plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a China e os países de língua portuguesa”.

A nova edição deste evento vai realizar-se entre 10 a 12 de janeiro de 2019, na província chinesa de Hainan.

Recomendadas

Investimento estrangeiro: Macron ‘vende’ França como o país mais atrativo da Europa

Presidente francês convidou para o Palácio do Eliseu dezenas de empresários de topo em trânsito para Davos. O encontro, que faz parte de uma estratégia chamada ‘Escolha a França’, parece ter sido um sucesso.

Britânica Dyson deixa Londres e parte a caminho de Singapura

James Dyson, fundador da empresa de eletrodomésticos e um dos empresários que fez campanha em favor do Brexit, diz que a mudança tem apenas a ver com as inúmeras oportunidades que surgem na Ásia.

Quatro mulheres deixaram água e comida a migrantes. Foram condenadas nos EUA

Ativistas foram condenadas por um juiz norte-americano no final da semana passada. É a primeira sentença criminal por causas humanitárias no espaço de uma década.
Comentários