MIF 2019: Macau estuda mercado internacional para tomar decisão sobre bolsa de valores

Lionel Leong, secretário para a Economia e Finanças de Macau, afirmou que, para além de ser apreciada a realidade local, é preciso “estudar o mercado internacional”, bem como avaliar questões que vão desde o enquadramento jurídico e a formação de quadros, até à respetiva fiscalização da atividade.

O secretário para a Economia e Finanças de Macau disse esta quinta-feira que a viabilidade de estabelecer uma bolsa de valores no território depende de estudos sobre o mercado internacional, questões jurídicas, formação de quadros e fiscalização.

Lionel Leong afirmou que, para além de ser apreciada a realidade local, é preciso “estudar o mercado internacional”, bem como avaliar questões que vão desde o enquadramento jurídico e a formação de quadros, até à respetiva fiscalização da atividade.

Em declarações feitas à margem da inauguração da Feira Internacional de Macau e da Exposição de Produtos e Serviços dos Países de Língua Portuguesa, o governante deu como exemplo a recente visita a Portugal, durante a qual foram observadas “entidades congéneres”, para se perceber “o que fazem e o tipo de apoio que podem dar”.

Elementos que, considerou, vão contribuir para se tomar uma decisão ponderada sobre a criação de um mercado bolsista no território.

Na segunda-feira, a Autoridade Monetária de Macau (AMCM) indicou que continua a aguardar a conclusão de vários estudos sobre o estabelecimento no território de um mercado bolsista denominado em renminbis.

Em comunicado, a AMCM disse que os estudos de viabilidade estão a ser conduzidos por “empresas internacionais de consultadoria”.

A mesma entidade sublinhou que a criação do mercado bolsista consta do documento ‘Linhas gerais do planeamento para o desenvolvimento da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau”.

O projeto da Grande Baía pretende criar uma metrópole mundial que integra Hong Kong, Macau e nove cidades da província de Guangdong (Dongguan, Foshan, Cantão, Huizhou, Jiangmen, Shenzhen, Zhaoqing, Zhongshan e Zhuhai), numa região com cerca de 70 milhões de habitantes e com um Produto Interno Bruto (PIB) que ronda os 1,2 biliões de euros.

Segundo a AMCM, os estudos de viabilidade devem ter em conta o “princípio de potenciar as vantagens de Macau e atender às necessidades” da China, e lembrou que já existem, nas regiões vizinhas, “vários centros financeiros desenvolvidos”.

Ler mais

Relacionadas

MIF 2019: Macau ambiciona papel central nas relações entre a China e a lusofonia

A 24ª edição da Feira Internacional de Macau conta com as participações de 205 empresas portuguesas. Governo da Região Especial chinesa quer que Macau assuma um papel cada vez mais relevante na relação com os países de língua portuguesa. O JE está em Macau a acompanhar a MIF 2019, com uma equipa de reportagem.

Macau na rota do Programa Doutoral da UCoimbra

Oportunidade de investigação ao mais alto nível e de integração em redes internacionais de conhecimento. Opportunity for research at the highest level and integration into international knowledge networks.

MIF 2019: “Esta é a oportunidade para promover os produtos portugueses na China”

Alberto Neto, presidente da Associação de Jovens Empresários Portugal – China, diz que a feira possibilita a promoção dos produtos portugueses no gigantesco mercado chinês. Este ano, participam na MIF 205 empresas portuguesas de vários setores.
Recomendadas

Wall Street encerra em queda com incertezas em redor da conclusão da ‘fase um’ entre China e EUA

A bolsa de Nova Iorque terminou a sessão desta quarta-feira com o sentimento negativo após informações de que a ‘fase um’ do acordo comercial entre os Estados Unidos e a China não poder ficar concluída este ano. No fecho da sessão desta quarta-feira, o S&P 500 desce 0,32%, para 3,108.38 pontos, o tecnológico Nasdaq desvaloriza […]

CMVM aceitou um pedido de elisão de presunção de atuação concertada que tinha sido remetido pela Cofina

O pedido de elisão da presunção está previsto no número 5 do artigo 20º do Cód.VM e que prevê a possibilidade de uma sociedade “beneficiar da derrogação de imputação agregada de direitos de voto”. Em causa está o acordo da Cofina com a Prisa, atual acionista controlador da Media Capital para que os espanhóis lhe vendam as ações representativas de 94,69% do capital.

Bolsas da Europa fecham em queda por causa da nova tensão entre os EUA e a China

A Bolsa de Lisboa fechou em terreno negativo em linha com as outras praças europeias. O petróleo dispara quer em Londres quer nos EUA. Já os juros de Portugal estão a subir depois dos alertas de Bruxelas.
Comentários