Macron e Merkel juntos contra a investida da Turquia no Curdistão

O presidente francês e a chanceler alemã pediram à Turquia que acabe com a sua operação contra as forças curdas na Síria. O exército sírio prepara-se para enfrentar o turco, o que poderá resultar numa escalada do confronto.

O presidente francês Emmanuel Macron e a chanceler alemã Angela Merkel reuniram ao início da noite passada e, no final, manifestaram a sua total oposição às movimentações do exército turco na Síria, contra os curdos.

“A nossa convicção é que a ofensiva está a assumir o risco, por um lado, e já estamos a ver no terreno, de criar situações humanitárias insustentáveis ​​e, por outro lado, de ajudar o Daesh a ressurgir na região” disse Macron – que convocou um conselho para analisar a questão síria.

Cinco dias após o lançamento da ofensiva, as forças turcas e os seus aliados locais avançaram profundamente no território sírio. Segundo a Sana, agência de notícias estatal síria, o exército sírio enviará tropas para o norte do país para “enfrentar a agressão” da Turquia – o que dse imediato coloca a hipótese de o conflito passar a ter um caráter internacional.

Para protestarem contra a guerra, vários países europeus, incluindo a França , anunciaram nos últimos dias a suspensão da venda de armas a Ancara. Por seu lado, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, alertou repetidamente a comunidade internacional que as suas ameaças não levariam a Turquia a alterar a sua posição.

O presidente Emmanuel Macron – que recebeu a chanceler alemã Angela Merkel na noite de domingo no Palácio do Eliseu antes de realizar um conselho de defesa restrito no palácio – afirmou a “vontade comum” dos dois líderes de que “essa ofensiva acabe” rapidamente.

O chefe de Estado pediu ainda aos europeus que “se unam neste momento difícil e às vezes […] perturbador” e se mantenham “coordenados” no que tem a ver com o fim da venda de armas à Turquia.

O conselho de defesa reuniu o primeiro-ministro Edouard Philippe, os ministros da Justiça, Negócios Estrangeiros, Exércitos e Interior, bem como o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, o Almirante Rogel.

No quinto dia do ataque, as forças turcas e os seus aliados locais avançaram profundamente no território sírio: conquistaram a cidade fronteiriça de Tal Abyad, segundo avança a agência turca Anadolu e o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) confirma. É a maior cidade até agora conquistada pelas forças turcas, que tomaram quarenta aldeias desde quarta-feira, de acordo com o Observatório.

Entretanto, a Sana não dá mais detalhes sobre a mobilização do exército sírio, mas relatou “negociações” entre a administração semi-autónoma curda e o governo sírio.

Ler mais
Recomendadas

Trump visita a Rússia em maio de 2020

O presidente russo convidou Donald Trump para estar presente nas comemorações da 75ª vitória da URSS sobre a Alemanha. O presidente, que estará em campanha nessa altura, diz que, em princípio, vai.

Bancos angolanos deixam de exigir documentos de viagem para levantar divisas

A partir do próximo ano, os cidadãos poderão ir ao banco para ter acesso a moeda estrangeira, mantendo-se apenas limites relacionados com a prevenção de crimes.

Bolívia: Governo recomenda aos portugueses que evitem “qualquer deslocação”

O Governo português reiterou esta quinta-feira aos cidadãos que evitem quaisquer deslocações à Bolívia, onde a violência se intensificou esta semana, e recomendou que os portugueses contactem o Gabinete de Emergência Consular caso necessitem de ajuda.
Comentários