Macron fala ao país na próxima semana sobre “coletes amarelos”

O presidente francês, Emmanuel Macron, vai falar ao país no início da próxima semana sobre os ‘coletes amarelos’, apenas após o protesto nacional daquele movimento marcado para sábado, disse esta sexta-feira o presidente da Assembleia Nacional de França.

Reuters

O presidente francês, Emmanuel Macron, vai falar ao país no início da próxima semana sobre os ‘coletes amarelos’, apenas após o protesto nacional daquele movimento marcado para sábado, disse esta sexta-feira o presidente da Assembleia Nacional de França.

De acordo com Richard Ferrand, citado pela agência noticiosa France-Presse, Emmanuel Macron apenas falará após a manifestação de sábado “porque não deseja colocar óleo no fogo”.

O Governo francês anunciou na quinta-feira que serão mobilizados a nível nacional “meios excecionais”, além de 65 mil polícias e outros membros das forças de segurança, no sábado, para o quarto grande dia de manifestações.

A emblemática torre Eiffel estará fechada no sábado, tal como uma dezena de museus em Paris, para prevenirem qualquer impacto de uma possível manifestação marcada pela violência.

Desde terça-feira que o Governo se esforça por acalmar a ira dos ‘coletes amarelos’, mas os ativistas prometem ainda mais entusiasmo para o quarto sábado consecutivo de manifestações no centro de Paris.

A decisão, anunciada quarta-feira, de suspender aumentos de impostos não chegou para acalmar os ânimos, com os porta-vozes do movimento a dizerem que “vieram tarde e sabem a pouco”.

No sábado, teme-se mais cenas de violência, já que ao movimento juntaram-se grupos de jovens encapuzados, sem que se lhes conheça motivações políticas assumidas.

Há três semanas que os franceses saem à rua, bloqueando rotundas e autoestradas do país, primeiro para exigir a suspensão de um novo imposto sobre os combustíveis, mas depois também para denunciar o empobrecimento.

Ler mais
Relacionadas

Governo francês suspende aumento do imposto sobre combustíveis

O primeiro-ministro francês vai anunciar esta terça-feira uma moratória relativa ao aumento do imposto sobre combustíveis previsto para 01 de janeiro, de forma a apaziguar as manifestações dos “coletes amarelos”.

Coletes amarelos: reflexos sombrios

Depois do que aconteceu em Paris, seria de esperar que os deputados condenassem as práticas totalitárias que estes vanguardismos justiceiros frequentemente adotam. Mas não. A oposição, corajosamente, calou-se.

Violência durante manifestação em Paris fez 133 feridos e 412 detidos pela polícia

A violência que ocorreu no sábado em Paris durante a manifestação dos “coletes amarelos” provocou 133 feridos e 412 pessoas foram detidas, das quais 378 ficaram sob custódia policial, segundo dados de hoje da polícia francesa.
Recomendadas

Procurador francês diz que estão acionados todos os meios para encontrar suspeito do atentado de Lyon

As autoridades francesas procuram o presumível autor do atentado ocorrido na sexta-feira numa rua em Lyon, que fez 13 feridos. A investigação judicial, aberta inicialmente por tentativa de homicídio, foi transferida para o Ministério Público de Paris, que centraliza os casos de terrorismo em França.

“Marginalização de África no comércio mundial não mudou muito”, diz ex-dirigente da ONU Carlos Lopes

Carlos Lopes, antigo adjunto do secretario-geral das Nações Unidas, defendeu este sábado em Lisboa que a Zona de Livre Comércio Continental (ZLEC) pode contribuir para acelerar a industrialização da região.

Agências de espionagem dos EUA cedem informações a investigação sobre interferência russa

Presidente norte-americano já disse que vai desclassificar os documentos relacionados com as origens da investigação sobre as ligações russas à campanha.
Comentários