Macron oferece cheque de 500 euros a jovens franceses para adquirir produtos culturais

Iniciativa faz parte da vontade do governo em democratizar o alcance da oferta cultural. Quando o período experimental terminar, vai-se decidir se deve ser ou não amplificado por todo o território francês

O governo francês vai avançar esta semana com a medida designada de “passe cultural” promovido por Emmanuel Macron durante a sua campanha presidencial de 2017.

O projeto é direcionado aos franceses maiores de 18 anos, que poderão beneficiar de um crédito de 500 euros, concedido pelo Estado, para investir em produtos e atividades culturais. Segundo o ‘El País’, o produto encontra-se numa fase experimental com uma duração de seis meses e conta com a participação atual de 13 mil voluntários.

O crédito Macron permitirá que qualquer jovem compre livros, DVDs, bilhetes para filmes, teatro e concertos, além de permitir que se inscreva em workshops e cursos ou aderir a plataformas de streaming, como a Netflix.

O acesso será feito a partir de uma aplicação para telemóveis e tablets desenhada pelo Ministério da Cultura, que irá propor serviços e atividades geolocalizadas nas proximidades do local onde o utilizador se encontra. “Às vezes, brincamos e dizemos que é um Tinder da cultura”, afirmou o responsável, Éric Garandeau, no ano passado.

A iniciativa faz parte da vontade do governo em democratizar ainda mais o alcance da oferta cultural. “A transmissão da nossa cultura é o que faz nossos filhos tornarem-se cidadãos franceses. O acesso à arte em todos os lugares e a toda a gente é a primeira missão do ministério “, disse o ministro da Cultura, Franck Riester.

Quando o período experimental terminar, vai-se decidir se deve ser ou não amplificado por todo o território francês. Se houver progressos na taxa esperada, 200 mil  jovens poderão beneficiar do passe cultural no final de 2020, de acordo com o ”Le Monde”.

 

Ler mais
Recomendadas

Camiões com ajuda humanitária destinada à Venezuela incendiados na fronteira com Colômbia

Dois camiões com ajuda humanitária destinada à Venezuela foram incendiados hoje no lado venezuelano de uma ponte na fronteira com a Colômbia, denunciou a deputada Gaby Arellano, que acusou a polícia nacional bolivariana de atear as chamas.

Rangel considera que movimento de contestação popular na Venezuela pode representar “ponto de viragem”

O eurodeputado Paulo Rangel disse hoje que a entrada de ajuda humanitária na Venezuela pela fronteira com a Colômbia estava às 17:30 bloqueada e que os relatos que chegam de contestação popular podem sinalizar “um ponto de viragem” no regime.

Venezuela: Nicolás Maduro anuncia corte de relações com a Colômbia

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou hoje o corte de relações diplomáticas e políticas com a Colômbia, país que acusa de apoiar os EUA num golpe de Estado contra o seu regime. “Decidi romper todas as relações políticas e diplomáticas com a Colômbia. Não se pode aceitar que continuem a disponibilizar o território colombiano para provocações contra a Venezuela”.
Comentários