Madeira: as comissões de inquérito são feitas para “decidir o que PSD e o Governo queiram que se decida”, alerta BE

O deputado do BE, Roberto Almada, criticou o relatório decorrente da comissão de inquérito ao SESARAM por “não existir uma única crítica à política de saúde quando todos sabemos dos males de que padece” o serviço de saúde na Madeira.

O BE deixou fortes críticas ao relatório resultante da comissão de inquérito aos serviços prestados pelo Serviço Regional de Saúde (SESARAM). Os bloquistas sublinham que as comissões de inquérito, realizadas na Madeira, são feitas para o que o PSD e o Governo Regional queiram que se decida.

“É um rol de elogios e não existe uma única crítica à política de saúde quando todos sabemos dos males de que padece o serviço de saúde na Madeira. O relatório não reflecte dificuldades e deficiências do SESARAM. A realidade é muito distinta da do relatório”, afirmou Roberto Almada, durante a apreciação do relatório da comissão de inquérito aos serviços prestados pelo SESARAM que decorre na Assembleia Legislativa da Madeira.

Roberto Almada criticou ainda o facto da proposta de relatório ter sido apresentada à comissão 24 horas antes da reunião que iria analisar o relatório.

“Dizer que os deputados não apresentaram nenhuma proposta de alteração é verdadeiro mas não nos deram tempo para analisar o relatório”, disse o bloquista sobre a acusação levantada por Joaquim Marujo do PSD.

Roberto Almada refere que nas conclusões do relatório “só existem conclusões que dizem bem do SESARAM e da governação. É o reforço do orçamento, a descida das listas de espera que só vocês vêem”, sublinhou o deputado do BE.

Recomendadas

WAP Billing: a técnica de compra online em que com um clique se subscreve o serviço

Estes serviços não são serviços de comunicações eletrónicas, de audiotexto ou de valor acrescentado, pelo que não estão abrangidos pela Lei das Comunicações Eletrónicas e violam a Lei Geral de Proteção dos Consumidores (LDC), de aplicação transversal a vários setores económicos.

Eleições Madeira: PSD diz que fim da maioria seria cenário trágico para a região

O cabeça de lista do PSD às regionais diz que essa maioria tem de ser expressiva para o partido constituir governo com segurança. Miguel Albuquerque afirma que uma opção de mudança “seria para uma alternativa, que não é alternativa nenhuma, é degeneração, retrocesso, paralisia económica e instabilidade política”

Eleições Madeira: Iniciativa Liberal alerta para bipolarização negativa e conta eleger grupo parlamentar

O cabeça de lista às eleições regionais diz que vai apresentar um programa que inclui a criação de um sistema fiscal próprio e com redução de impostos, a aposta na economia do mar, no ambiente e na educação, bem como no setor da saúde.
Comentários