Madeira dá 1,5 milhões de euros em isenções fiscais a filha do ditador Obiang

Os observadores internacionais alertam para as relações privilegiadas de offshores da Madeira com praças financeiras pouco ou nada transparentes.

Francisca Nguema Jiménez, filha do presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema, já beneficiou de isenções fiscais de 1,5 milhões de euros por ter escolhido a Zona Franca da Madeira (ZFM) para abrir duas empresas. Os observadores internacionais alertam para as relações privilegiadas de offshores da Madeira com praças financeiras pouco ou nada transparentes, avança o jornal “Público”.

A eurodeputada socialista Ana Gomes escreveu uma carta à Comissão Europeia e à Autoridade Bancária Europeia a alertar para a presença de uma das empresas de Francisca Nguema Jiménez na Madeira: a Coralco. A empresa, cuja área de atividade se desconhece, foi criada em 2013 e, este ano, foi criada uma empresa igual a essa, com o nome Masela.

A Comissão Europeia está desde julho a fazer uma “investigação aprofundada” às isenções fiscais atribuídas pela ZFM durante o “regime III” (até dezembro de 2014). Foi nesse período que a Coralco foi criada e beneficiou do primeiro benefício fiscal. Além de não terem site, o gerente das duas empresas de Francisca Nguema Jiménez está ligado a mais 19 sociedades, todas com a mesma morada no Funchal.

Ana Gomes alerta, no documento que fez chegar a Bruxelas, que a presença de empresas da filha do presidente equato-guineense pode “ilustrar o branqueamento de capitais e os esquemas de evasão fiscal usados por esta PPE [Pessoas Politicamente Expostas] de uma cleptocracia”.

Recomendadas

Kim Jong-un visita Vietname antes da cimeira com Donald Trump

O líder norte-coreano deverá reunir-se a 25 de fevereiro com o presidente do Vietname e secretário-geral do Partido Comunista, Nguyen Phu Trong, no palácio presidencial de Hanói. A realizar-se, será a primeira visita de Estado da Coreia do Norte ao Vietname desde a reunificação do país, em 1975.

Japão elogia “bravura” de Trump mas não confirma indicação ao Nobel da Paz

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, elogiou esta segunda-feira a “bravura” do Presidente norte-americano, Donald Trump, no diálogo com a Coreia do Norte, mas escusou-se a confirmar se o havia indicado ao Prémio Nobel da Paz.

Vaticano na hora das grandes mudanças

Durante dois dias, o Estado do Vaticano vai debater uma das suas leis fundamentais: a Constituição Pastor Bonus sobre a Cúria Romana. Para alguns observadores, é um dos entraves ao postulado do Papa Francisco.
Comentários