Madeira: Governo Regional estuda formas simples de apoio às empresas da Região

As linhas que estão a ser definidas pelo Governo Regional visam a manutenção dos postos de trabalho e pretendem ser simples, rápidas e de acordo com o que está a ser definido a nível nacional.

Na passada terça-feira à tarde, o Vice-Presidente do Governo Regional, Pedro Calado, juntamente com os Secretários Regionais da Economia, Rui Barreto, e do turismo, Eduardo Jesus, reuniram com a Associação Comercial e Industrial do Funchal (ACIF) no sentido de estudar formas simples de apoio às empresas regionais.

O objetivo é “ajudar todo o tipo de empresas da Região, nomeadamente as micro, as pequenas, médias e grandes empresas”, salientou Pedro Calado, acrescentando que o Executivo está também a pensar “desenhar uma linha de apoio aos empresários em nome individual, com ou sem contabilidade organizada e também aos trabalhadores independentes, para que não fiquem prejudicados neste momento”.

As linhas que estão a ser definidas pelo Governo Regional visam a manutenção dos postos de trabalho e pretendem ser simples, rápidas e de acordo com o que está a ser definido a nível nacional.

“Há muitas linhas que vêm de apoio financeiro por intermédio dos bancos a nível nacional, há outras que estão a ser montadas aqui na Região, mas queremos que sejam processos rápidos, nada burocráticos e simples de entendimento, que possam beneficiar a manutenção dos postos de trabalho que existem hoje em dia”, conclui.

Recomendadas

Madeira atinge os 50 casos positivos de coronavírus

Esta semana termina a quarentena obrigatória para um primeiro grupo que cumpre o isolamento em unidade hoteleira. Neste sentido, foram já realizados 27 testes de rastreio à Covid-19 que aguardam resultado.

Cartões contactless com novo limite de 50 euros

Esta medida surge no âmbito da pandemia da COVID 19, procurando assim o Governo alargar e manter as recomendações de distanciamento social, incentivando-se os pagamentos “sem contacto”.

Linha de apoio a empresas da Madeira de 100 milhões de euros tem acesso universal

O início da operação será entre 20 e 24 de abril, e o período de vigência até 31 de dezembro de 2020. Se existir quebra de faturação de 40% e se as empresas mantiverem os postos de trabalho no período de carência de 18 meses o apoio transforma-se em fundo perdido.
Comentários