PremiumMadeira longe das metas da reciclagem prepara revisão de plano estratégico para resíduos

O desinvestimento na recolha seletiva é um dos motivos apontados por Hélder Spínola para a quebra na reciclagem na Madeira. O executivo rejeita, realçando o aumento de contentores para recolha.

O professor da Universidade da Madeira (UMa), Hélder Spínola, defende que a Madeira já esteve bem melhor no que diz respeito à reciclagem. O encerramento da Estação de Compostagem na Meia Serra e o desinvestimento na recolha seletiva são os fatores apontados pelo docente universitário que justificam a degradação da reciclagem na Região Autónoma. A Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais (SRA) contrapõe as afirmações do investigador do ensino superior respondendo que o plano estratégico para resíduos necessita de ser revisto.

“A taxa de reciclagem na Madeira em 2008 era de 22% e em 2016 e em 2017 encontra-se em cerca de 10%. Temos uma quebra de 50% nesse valor neste espaço de tempo. o que é negativo e péssimo. Estamos a nos afastar das metas que estabelecemos para a Região Autónoma e também das da União Europeia”, alerta Hélder Spínola.

O professor universitário lembra que a meta estabelecida pela Região no seu Plano de Resíduos era de 40%, um valor bem distante dos números avançados por Hélder Spínola.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumExposição do BCP à dívida italiana é inferior a 100 milhões

“Não fomos atrás das yields. Fomos prudentes”, disse Miguel Maya, CEO do BCP na apresentação de resultados anuais. Banco lucrou 301,1 milhões de euros, mais 61,5% do que em 2017.

PremiumRogério Alves: “Nota-se preconceito do Governo para com a segurança privada”

Antigo bastonário da Ordem dos Advogados é o convidado desta semana do “Falar Direito”, programa transmitido esta sexta-feira, às 11h00, nas redes sociais e site do Jornal Económico.

PremiumTransformação e dividendos, as dores necessárias dos CTT

Um tombo de 8,11% nas ações esta quinta-feira foi prova do sabor amargo que os resultados continuam a oferecer aos investidores. Mais custos e menos dividendos são a receita para transformar o negócio, mas os desafios permanecem exigentes.
Comentários