PremiumMadeira longe das metas da reciclagem prepara revisão de plano estratégico para resíduos

O desinvestimento na recolha seletiva é um dos motivos apontados por Hélder Spínola para a quebra na reciclagem na Madeira. O executivo rejeita, realçando o aumento de contentores para recolha.

O professor da Universidade da Madeira (UMa), Hélder Spínola, defende que a Madeira já esteve bem melhor no que diz respeito à reciclagem. O encerramento da Estação de Compostagem na Meia Serra e o desinvestimento na recolha seletiva são os fatores apontados pelo docente universitário que justificam a degradação da reciclagem na Região Autónoma. A Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais (SRA) contrapõe as afirmações do investigador do ensino superior respondendo que o plano estratégico para resíduos necessita de ser revisto.

“A taxa de reciclagem na Madeira em 2008 era de 22% e em 2016 e em 2017 encontra-se em cerca de 10%. Temos uma quebra de 50% nesse valor neste espaço de tempo. o que é negativo e péssimo. Estamos a nos afastar das metas que estabelecemos para a Região Autónoma e também das da União Europeia”, alerta Hélder Spínola.

O professor universitário lembra que a meta estabelecida pela Região no seu Plano de Resíduos era de 40%, um valor bem distante dos números avançados por Hélder Spínola.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumFundação La Caixa: Em busca de soluções para os vulneráveis

Nascida há 110 anos, a Fundação La Caixa conta com um orçamento de 540 milhões de euros e um portefólio que toca todas as fronteiras da sociedade. Pretende agora replicar em Portugal, ampliando o papel social que o BPI já desempenha. Artur Santos Silva explica como.

Premium“As empresas vão ter de ser ativas e de colaborar no 5G”

O responsável da área de Empresas da Huawei em Portugal recorda os principais marcos do crescimento no país e aponta os desafios futuros.

PremiumRui Rio: “Gigante adormecido” acorda a sonhar com um ciclo de vitórias

As últimas sondagens dão margem a Rui Rio para objetivos que pareciam inatingíveis. Depois de silenciar o ruído das guerras internas no PSD, a direção do partido está focada nas eleiçõese promete ser uma alternativa ao Governo.
Comentários