Madeira parte para a Web Summit à procura de investidores para escalar para mercado internacional

A Wiziit e a IdocPassport são alguns dos projetos que vão representar a Madeira na Web Summit. O Económico Madeira falou com os responsáveis por estas empresas e quis saber quais são as expetativas que levam para um dos maiores eventos de tecnologia do mundo.

A Wiziit e a IdocPassport são algumas das empresas/projetos que fazem parte da comitiva madeirense, que o executivo regional vai levar à Web Summit. A divulgação e a procura de investidores são alguns dos objetivos que estes projetos empresariais madeirenses levam para um dos maiores eventos tecnológicos do mundo, conforme revelam os representantes destas empresas ao Económico Madeira.

A Wiziit é uma plataforma de software de gestão de rent-a-car, na cloud, que permite tratar de todos os processos ligadas à área do aluguer de veículos digitalmente.

“Pretendemos fazer divulgação da nossa marca na Web Summit. Nós temos presença no mercado nacional e procuramos no evento falar com interessados na plataforma, e arranjar parceiros comerciais que pretendam divulgar a marca a nível europeu”, diz Paulo Freitas, CEO da Wizitt, sobre as expetativas que leva para o evento tecnológico que começa esta segunda-feira em Lisboa.

O responsável pela plataforma de software realça que cada rent-a-car que selecciona a Wiziit possui uma base de dados e consegue gerir a sua rent-a-car através de vários dispositivos electrónicos.

“A plataforma permite gerir sem papel a rent-a-car. O cliente pode assinar o seu contrato digitalmente”, explica, Paulo Freitas, sobre algumas das funcionalidade da plataforma de gestão de software.

O CEO da Wizitt refere que nesta altura a empresa tem possíveis cliente para Barcelona.

A aprendizagem, o networking, e a procura de investidores, são alguns dos objetivos traçados por Nuno Lourenço, um dos sócios da empresa proteína Lúdica, a par de Roberto Homem de Gouveia, que desenvolveu a aplicação IdocPassport, que permite a um turista que fique doente possa solicitar os serviços de um médico no seu local de alojamento, levam para a WebSummit.

“Temos o produto finalizado. Estamos à procura de capital para marketing digital. Por exemplo um turista alemão tem que ter acesso à aplicação e isso faz-se através do marketing digital. O marketing digital encare muito o produto”, explica Nuno Lourenço ao Económico Madeira.

O IdocPassport está a utilizar a Madeira como um campo de testes mas a aplicação, como realça Nuno Lourenço, pode ser escalável para qualquer destino turístico, acrescentando que a ida à Web Summit terá também como propósito encontrar investidores que estejam disponíveis para ajudar a atingir esse objetivo.

Nuno Lourenço referiu ainda que o IdocPassport foi seleccionado para a hora do mentor onde terá a oportunidade de assistir a uma sessão dirigida por um guru de Silicon Valley.

O IdocPassport, como refere Nuno Lourenço, já evolui para outro tipo de funcionalidade, que inicialmente não estavam contempladas, sendo que a aplicação presta ainda apoio ao alojamento local e os hotéis, pode ser usada por médicos, tem uma vertente de hospitality, e reforça a confiança no destino turístico.

A comitiva de empresas/projetos e entidades, convidada pelo Governo Regional, para a Web Summit inclui a ACIN, GesTools ASPa, Xis Groupb, SDM, MITI, Universidade da Madeira, Startup Madeira, Madeira Invest, Nearsoft e ainda startups como a Connecting Software KG1, Wizzit, IdocPassport, FloatingParticle, Portable Exergame Platform for Active Ageing (PEPE).

Ler mais
Recomendadas

Brexit: Trabalhistas exigem demissão do Governo. Theresa May anuncia plano B

Theresa May disse no Parlamento que vai apresentar na próxima segunda-feira um plano B de saída do Reino Unido da União Europeia.

“O Brexit é um processo suicidário para a Grã-Bretanha e saída abrupta seria catastrófica”, considera Albuquerque

O governante considerou que a saída o Reino Unido é má para a Europa. O líder do executivo madeirense disse ainda que não tem perspetiva que esta saída aconteça em março sem que existam medidas cautelares que garantam o abastecimento da Grã-Bretanha.

Nobel da Economia diz que Bruxelas devia ter dado “algumas migalhas” ao Reino Unido

Paul Krugman criticou a posição da Comissão Europeia em 2016, antes do referendo sobre o Brexit ter tido lugar, onde a maioria dos votantes defendeu a saída do Reino Unido da União Europeia.
Comentários