PremiumMagistrados do Ministério Público admitem acionar fundo de greve para ano de protestos

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público convocou uma assembleia de delegados sindicais de todo o país para amanhã, 12 de Janeiro, para definir formas de luta a longo prazo.

O encontro servirá também para marcar o dia, ou dias, da greve anunciada para fevereiro mas que poderá estender-se a mais dias ao longo de 2019. A possibilidade foi admitida ao Jornal Económico pelo presidente do SMMP, António Ventinhas, que alerta estar em causa a autonomia do Ministério Público (MP) e as condições de continuação do combate à corrupção que tem atingido alguns políticos. “Além da greve de fevereiro, poderão ocorrer greves noutros períodos”, admitiu Ventinhas, realçando que no encontro deste sábado com os delegados sindicais é que serão tomadas decisões sobre a matéria. Nesta reunião serão também discutidas outras ações de luta além da greve.

Apesar de António Ventinhas não adiantar quais ações de luta estão a ser equacionadas, o Jornal Económico sabe que será debatida a possibilidade de um ou mais dias de greve em fevereiro. Um cenário que poderá vir a ser seguido noutros meses, por exemplo com mais greves por distrito ou por especialidades de magistrados (onde se destacam os juízos criminais, cíveis, de família e menores e de trabalho), em periocidade a definir.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Magistrados do Ministério Público marcam reunião magna para ativar fundo de greve

Magistrados vão reunir em assembleia geral a 26 de janeiro para decidir activação de fundo de greve, numa altura em que Sindicato se prepara para marcar a greve anunciada para fevereiro. Assembleia Geral vai também decidir novas ações de luta.

Marcelo afirma que “autonomia do Ministério Público é indiscutível”

O Presidente da República reagia assim à greve convocada hoje, pelo Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, contra a intenção do PS e PSD de alteração na estrutura do Conselho Superior do Ministério Público, compondo-o maioritariamente por não magistrados.
Recomendadas

Premium“Economia do Frio”: Negócios que aquecem sempre que os nosso termómetros baixam

Janeiro geoso e fevereiro chuvoso fazem o ano formoso. O ditado é antigo, mas mantém-se atual.

PremiumGás Natural: Energia que chega por barco e gasoduto

Mais de 1,3 milhões de portugueses têm a casa aquecida e o fogão a funcionar graças a um combustível fóssil, o gás natural (GN), que chega de outros países.

PremiumDavos: Como é a vida na cimeira dos poderosos

Em Davos, uma das mais importantes estâncias de esqui da Suíça, famosa por receber o Fórum Económico Mundial, o dia começa cedo.
Comentários