Maior rede de oleodutos dos EUA sofre ciberataque e suspende operações

A maior rede de oleodutos dos Estados Unidos, a Colonial, viu-se obrigada a suspender as suas operações após ter sido vítima de um ciberataque, cujo autor ainda é desconhecido.

A maior rede de oleodutos dos Estados Unidos viu-se obrigada a suspender as suas operações após ter sido vítima de um ciberataque, cujo autor ainda é desconhecido, informou a empresa.

A Colonial teve que interromper a sua operação nos 8.850 quilómetros de oleodutos que administra e que são essenciais para abastecer os grandes centros populacionais do leste e do sul do país.

A empresa transporta até 2,5 milhões de barris de gasolina, gasóleo e combustível de aviação por dia das refinarias no Golfo do México para as grandes cidades no sul e leste dos Estados Unidos.

É responsável por 45% do transporte de combustíveis para o litoral leste do país, segundo indica no seu site.

Num comunicado emitido na sexta-feira, a Colonial revelou que naquele mesmo dia detetou um ataque cibernético e decidiu interromper as operações em toda a rede de gasodutos para evitar mais danos nos sistemas de computador, mas não revelou quanto tempo é que as operações poderão estar paradas.

A última vez que a Colonial teve que interromper as suas linhas de transporte de combustível foi durante o furacão Harvey, que atingiu o Golfo do México, em 2017.

Nessa altura, os preços da gasolina atingiram o pico em cinco anos e os preços do gasóleo atingiram o pico em quatro anos.

Recomendadas

Presidente da Associação Portuguesa de Logística: “É fundamental investir em infraestruturas”

Raul Magalhães considera que o desenvolvimento dos portos marítimos nacionais foi o ponto forte do sector nos últimos anos, a par da evolução dos operadores e integradores logísticos.

PremiumCapgemini reforça ‘know how’ na área de engenharia

Apesar da procura acrescida em 2020, a Capgemini reporta um ano “sem disrupções”. Agora, o grupo procura com a Capgemini Engineering reforçar a sua capacidade técnica em sectores chave.

Terceiro passageiro na viagem ao espaço com Jeff Bezos pagou 23 milhões de euros

Este foi o único lugar colocado à venda e o dinheiro angariado reverterá a favor da fundação Club for the Future, uma associada da Blue Origin que promove o ensino da matemática e da ciência.
Comentários