Maioria dos trabalhadores por conta de outrem em Portugal ganha menos de mil euros

Os distritos de Lisboa, Aveiro, Beja, Coimbra, Leiria, Porto e Setúbal foram os sete que registaram ordenados médios mensais acima dos 1.000 euros.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

Quase dois terços dos cerca de 2,1 milhões de trabalhadores por conta de outrem em Portugal – 1,3 milhões de pessoas – recebiam menos de 1.000 euros mensais (incluindo salário base, prémios, subsídios e outros complementos) em 2017, escreve o “Correio da Manhã” (CM).

No entanto, mais de 670 mil trabalhadores recebiam entre 600 e 750 euros por mês. Segundo os dados do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, a nível nacional, o ganho médio por mês fixava-se nos 1.133 euros.

A ganhar entre 750 e 1.000 euros mensais contabilizaram-se 515 mil trabalhadores enquanto entre 1.000 e 1.500 euros eram 390 mil trabalhadores, aponta o CM na edição desta segunda-feira.

Em termos geográficos, os distritos de Lisboa, Aveiro, Beja, Coimbra, Leiria, Porto e Setúbal foram os sete que registaram ordenados médios mensais acima dos 1.000 euros.

Em maio, a população desempregada, cuja estimativa provisória foi de 341,1 mil pessoas, caiu 6,6% (24,0 mil) em termos homólogos, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

Recomendadas

Governo já enviou para Bruxelas esboço do Orçamento, mas só divulga na quarta-feira

Portugal já enviou para a Comissão Europeia o esboço do Orçamento do Estado para 2020, apurou o Jornal Económico junto de fonte governamental. No entanto, o documento apenas será divulgado esta quarta-feira de manhã no portal do Governo.

Conselho Económico e Social aponta desvio de 2 mil milhões no investimento público entre 2016 e 2018

A conclusão integra o projeto de parecer do Conselho Económico e Social (CES) sobre a Conta Geral do Estado (CGE) relativa a 2018 a que a Lusa teve hoje acesso.

CGA perdeu quase 32 mil subscritores nos últimos três anos, diz UTAO

A redução do número de subscritores, que em agosto totalizavam 435.837, “é natural”, explica a UTAO, pois a CGA é um sistema fechado a novas inscrições desde 2006, altura em que os novos trabalhadores da administração pública passaram a inscrever-se no regime da Segurança Social.
Comentários