Maioria dos trabalhadores por conta de outrem em Portugal ganha menos de mil euros

Os distritos de Lisboa, Aveiro, Beja, Coimbra, Leiria, Porto e Setúbal foram os sete que registaram ordenados médios mensais acima dos 1.000 euros.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

Quase dois terços dos cerca de 2,1 milhões de trabalhadores por conta de outrem em Portugal – 1,3 milhões de pessoas – recebiam menos de 1.000 euros mensais (incluindo salário base, prémios, subsídios e outros complementos) em 2017, escreve o “Correio da Manhã” (CM).

No entanto, mais de 670 mil trabalhadores recebiam entre 600 e 750 euros por mês. Segundo os dados do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, a nível nacional, o ganho médio por mês fixava-se nos 1.133 euros.

A ganhar entre 750 e 1.000 euros mensais contabilizaram-se 515 mil trabalhadores enquanto entre 1.000 e 1.500 euros eram 390 mil trabalhadores, aponta o CM na edição desta segunda-feira.

Em termos geográficos, os distritos de Lisboa, Aveiro, Beja, Coimbra, Leiria, Porto e Setúbal foram os sete que registaram ordenados médios mensais acima dos 1.000 euros.

Em maio, a população desempregada, cuja estimativa provisória foi de 341,1 mil pessoas, caiu 6,6% (24,0 mil) em termos homólogos, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

Recomendadas

De Manhattan a Singapura, os pastéis de nata já competem com os donuts. Bloomberg surpreendida com doce português

“Nunca usem garfo e faca. É suposto comê-lo com as mãos e de preferência acompanhar com um café”. A Bloomberg está estupefacta com o crescimento da fama dos pastéis de nata em todo o mundo.

Comissão de Ambiente aprova projeto dos Verdes contra plástico para pão, fruta e legumes

O projeto de lei dos Verdes, que terá votação final em plenário na próxima sexta-feira, aplica-se a “todos os estabelecimentos comerciais que vendem pão, legumes e frutas.

Câmara de Lisboa reduz passivo em 34 milhões de euros nos primeiros cinco meses do ano

Defendendo que “a situação económico-financeira do município é completamente sustentável”, o autarca destacou que o passivo total da câmara baixou dos 904 milhões de euros registados em 31 de dezembro do ano passado para 870 milhões no final de maio.
Comentários