Maioria parlamentar na Guiné-Bissau avisa que protesto é a “última exigência pacífica”

Os partidos da maioria parlamentar da Guiné-Bissau avisaram que a marcha hoje realizada é a última exigência pacífica para a nomeação do primeiro-ministro e formação do Governo, depois das legislativas de 10 de março.

“Este é o nosso último ensaio, a nossa última chamada de atenção, última exigência pacífica que fazemos não só ao povo guineense, mas também à comunidade internacional”, afirmou o presidente do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira, vencedor das últimas legislativas.

No discurso, proferido no final do protesto que juntou milhares de pessoas em Bissau, Domingos Simões Pereira disse que a Guiné-Bissau “não é o diabo” e exigiu à Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para resolver o problema, salientando que no país as leis também são para cumprir.

“Exigimos à CEDEAO porque se a CEDEAO não for parte da solução, é porque é parte do problema”, afirmou.

Domingos Simões Pereira alertou também para a grave situação económica do país – confirmada pelo Fundo Monetário Internacional – que pode entrar em “bancarrota” e “falência total” se o novo Governo não for nomeado.

“Isso é o que o Presidente (da Guiné-Bissau, José Mário Vaz) quer, um estado de caos”, disse.

Domingos Simões Pereira afirmou também que é tempo de haver uma nova Guiné-Bissau que exige respeito.

“A Guiné-Bissau ajoelhada com os braços no ar, a pedir, acabou de vez. Se olharem para os países do mundo e africanos estão bem e não há segredos e magias, há só uma coisa: a lei, ordem e disciplina, e foram capazes de garantir que a justiça funciona”, afirmou.

Numa mensagem à comunidade internacional, o presidente do PAIGC sublinhou que quem estiver interessado em ajudar tem de saber que “só há um caminho que é aquele que é feito através da lei, da Constituição, da ordem, da disciplina e do desenvolvimento”.

Às Forças Armadas guineenses, o presidente do PAIGC disse que têm uma “herança extraordinária”, mas que só faz sentido ao serviço da Justiça e do Estado de Direito democrático.

“As pessoas que têm poder, a começar pelo Presidente da República, é que estão a ensaiar golpes de Estado. Ele próprio é que está a pedir que finjam que há um golpe de Estado para ver se eu tomo medidas mais fortes ou se fujo e abandono o país”, afirmou Domingos Simões Pereira, referindo-se aos rumores que têm circulado nos últimos dias em Bissau sobre alegadas tentativas de golpes.

O presidente do PAIGC salientou também que se não fez golpes depois de ter sido demitido em 2015, depois de vencer as eleições legislativas de 2014, também não o vai fazer em 2019.

“Nós respeitamos todos os organismos internacionais, mas desta vez têm de nos deixar construir o nosso país”, afirmou Nuno Nabian, líder da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), que assinou com o PAIGC, a União para Mudança e o Partido da Nova Democracia um acordo de incidência parlamentar e governativa.

Aqueles quatro partidos juntos têm 54 dos 102 deputados do parlamento guineense.

“Domingos Simões Pereira, custe o que custar, se não for primeiro-ministro estamos a caminho de uma nova revolução”, disse Nuno Nabian, salientando que há uma maioria para garantir ao povo guineense quatro anos de governação.

Ler mais
Recomendadas

Comunidade Económica da África Ocidental quer moeda única em 2020

Os 15 países da CEDEAO reafirmaram esta segunda-feira, em Abidjan, o objetivo de lançar uma moeda única em 2020, apesar dos “desafios” deste projeto pensado há 30 anos.

Crise em Angola obriga empresários a recrutarem mais talentos angolanos

Estudo divulgado esta segunda-feira revela que as empresas angolanas, em 2018, recrutaram mais licenciados e bacharéis para trabalhar na área tecnológica, com maior domínio de HTML, Java, SQL, Visual Basic e Visual Basic Net.

Morsi, antigo presidente do Egito, morre em tribunal

O antigo presidente do Egipto Mohammed Morsi, acusado de espionagem, morreu em tribunal, avança a televisão pública egípcia.
Comentários