Mais de 130 feridos e 1.385 detidos nos protestos dos “coletes amarelos” em França

Mais de 130 pessoas ficaram feridas e 1.385 foram detidas durante os protestos do movimento dos “coletes amarelos”, anunciou hoje o ministro do Interior francês, Christophe Castaner. Os protestos dos “coletes amarelos” reuniram hoje 125.000 pessoas em toda a França, dos quais 10.000 em Paris, e as autoridades fizeram 1.385 detenções.

Mais de 130 pessoas ficaram feridas e 1.385 foram detidas durante os protestos do movimento dos “coletes amarelos”, anunciou hoje o ministro do Interior francês, Christophe Castaner.

Os protestos dos “coletes amarelos” reuniram hoje 125.000 pessoas em toda a França, dos quais 10.000 em Paris, e as autoridades fizeram 1.385 detenções, de acordo com o governante.

O ministro do Interior adiantou que 135 pessoas ficaram feridas nos protestos, incluindo 17 polícias.

“Há 1.385 detenções, à hora que vos falo, e esse número vai aumentar. Havia 975 pessoas identificadas e esse número vai aumentar”, declarou o ministro.

O número de detenções tem como referência as 18:00 locais (17:00 em Lisboa) prevendo-se que possa aumentar devido aos distúrbios que continuam a assolar a capital francesa, bem como outras cidades, de acordo com Castaner, que falou aos media junto do primeiro-ministro, Éduouard Philippe, que saudou a ação da polícia.

“As forças de ordem fizeram com que se respeitasse a lei”, sublinhou Philippe, acrescentando que agora é o momento para o diálogo, que ele próprio iniciou hoje com os “coletes amarelos” e que “deve continuar”.

Em Paris, até ao início da tarde, tinham sido identificadas 651 pessoas e 534 estavam sob custódia.

O Governo tinha indicado antes que, a meio do dia, estavam a manifestar-se cerca de 31.000 pessoas em toda a França, das quais 8.000 em Paris.

No total foram mobilizados para todo o território francês 89.000 membros das forças da ordem, 8.000 dos quais para Paris.

Veículos blindados da polícia militarizada foram excecionalmente mobilizados para a capital francesa e circularam para dissuadir os manifestantes ou destruir barricadas.

Os confrontos no centro de Paris já duram há várias horas, com a polícia a utilizar gás lacrimogéneo e canhões de água. Várias montras de lojas já foram partidas e registou-se um ataque a uma galeria comercial.

Ler mais
Recomendadas

Respostas Rápidas: Como é que o Reino Unido chegou à crise em que se está a afundar?

Razões históricas mas também de política interna motivam uma situação que está a extremar-se para lá das mais radicais das previsões.

Avianca Brasil avança com pedido de “recuperação judicial” por causa das dívidas

Companhia aérea brasileira, detida por Germán Efromovich (concorrente derrotado na privatização da TAP em 2015), “está sob o risco de paralisar as suas operações e de devolver aeronaves”, noticia a “Exame”.

China poderá reduzir tarifas às importações de automóveis produzidos nos EUA

Avanço nas negociações entre os EUA e a China pode reforçar as tréguas comerciais que começaram no passado dia 1 e têm um prazo de 90 dias. Ações das grandes construtoras mundiais subiram. Vendas de automóveis no mercado chinês desaceleraram no segundo semestre do ano.
Comentários