Mais de 130 feridos e 1.385 detidos nos protestos dos “coletes amarelos” em França

Mais de 130 pessoas ficaram feridas e 1.385 foram detidas durante os protestos do movimento dos “coletes amarelos”, anunciou hoje o ministro do Interior francês, Christophe Castaner. Os protestos dos “coletes amarelos” reuniram hoje 125.000 pessoas em toda a França, dos quais 10.000 em Paris, e as autoridades fizeram 1.385 detenções.

Mais de 130 pessoas ficaram feridas e 1.385 foram detidas durante os protestos do movimento dos “coletes amarelos”, anunciou hoje o ministro do Interior francês, Christophe Castaner.

Os protestos dos “coletes amarelos” reuniram hoje 125.000 pessoas em toda a França, dos quais 10.000 em Paris, e as autoridades fizeram 1.385 detenções, de acordo com o governante.

O ministro do Interior adiantou que 135 pessoas ficaram feridas nos protestos, incluindo 17 polícias.

“Há 1.385 detenções, à hora que vos falo, e esse número vai aumentar. Havia 975 pessoas identificadas e esse número vai aumentar”, declarou o ministro.

O número de detenções tem como referência as 18:00 locais (17:00 em Lisboa) prevendo-se que possa aumentar devido aos distúrbios que continuam a assolar a capital francesa, bem como outras cidades, de acordo com Castaner, que falou aos media junto do primeiro-ministro, Éduouard Philippe, que saudou a ação da polícia.

“As forças de ordem fizeram com que se respeitasse a lei”, sublinhou Philippe, acrescentando que agora é o momento para o diálogo, que ele próprio iniciou hoje com os “coletes amarelos” e que “deve continuar”.

Em Paris, até ao início da tarde, tinham sido identificadas 651 pessoas e 534 estavam sob custódia.

O Governo tinha indicado antes que, a meio do dia, estavam a manifestar-se cerca de 31.000 pessoas em toda a França, das quais 8.000 em Paris.

No total foram mobilizados para todo o território francês 89.000 membros das forças da ordem, 8.000 dos quais para Paris.

Veículos blindados da polícia militarizada foram excecionalmente mobilizados para a capital francesa e circularam para dissuadir os manifestantes ou destruir barricadas.

Os confrontos no centro de Paris já duram há várias horas, com a polícia a utilizar gás lacrimogéneo e canhões de água. Várias montras de lojas já foram partidas e registou-se um ataque a uma galeria comercial.

Ler mais
Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Europeias: Timmermans diz que socialistas nunca irão aliar-se à extrema-direita

O candidato dos socialistas europeus também defendeu a “redução da diferença salarial entre mulheres e homens, atualmente na ordem dos 16%”, bem como o estabelecimento “de salários mínimos” para toda a UE, que seriam fixados em 60% do salário médio verificado em cada Estado-membro.

Candidato conservador à presidência da Comissão Europeia defende medidas migratórias mais duras

Weber, que deseja suceder a Jean-Claude Juncker na liderança do executivo comunitário, enalteceu a diversidade do continente europeu, salientando, porém, que existe um aspeto que é comum na Europa: “É baseada no cristianismo e orgulhamo-nos disso”.
Comentários