Mais de 70% das famílias cabo-verdianas dizem não conseguir poupar

O Inquérito de Conjuntura no Consumidor do Instituto Nacional de Estatísticas indica que 78% das famílias cabo-verdianas inquiridas consideraram que a atual situação económica do país não permite poupar dinheiro.

O Inquérito de Conjuntura no Consumidor do Instituto Nacional de Estatísticas indica que 78% das famílias cabo-verdianas inquiridas consideraram que a atual situação económica do país não permite poupar dinheiro.

Segundo documento a que a Inforpress teve acesso, e que analisa o 3º trimestre de 2018, em comparação com o período homólogo, a percentagem das famílias cabo-verdianas que diziam não conseguir poupar, em 2017, era 79,3%.

Entretanto, atualmente, 12,0% dos inquiridos afirmam ser possível poupar algum dinheiro com a atual situação económica do país, enquanto no trimestre homólogo era de 14,6%.

Os dados revelam também que no 3º trimestre 2018 a situação económica das famílias e a do país evoluíram negativamente face ao trimestre homólogo.

Os inquiridos do INE defendem ainda que tanto os preços de bens e serviços como o desemprego no país aumentaram face ao trimestre homólogo.

Conforme o Inquérito de Conjuntura no Consumidor, nos próximos 12 meses a situação financeira das famílias deverá evoluir negativamente face ao trimestre homólogo.

No entanto, a situação económica deverá manter-se no mesmo nível relativamente ao mesmo período do ano 2017.

“Para as famílias inquiridas, os preços de bens e serviços deverão aumentar enquanto, o desemprego deverá diminuir face ao trimestre homólogo,” lê-se no documento.

O mesmo inquérito revela que cerca de 91,9% dos inquiridos afirmam ter a “certeza absoluta” de que não tencionam comprar um carro nos próximos dois anos.

Quanto à intenção de comprar ou construir uma casa, nos próximos dois anos, a maioria das famílias cabo-verdianas inquiridas (68,5%) diz que não pretende comprar nem construir uma casa, contra 94,0% registado no período homólogo.

Apenas 1,7% dizem ter certeza absoluta que têm o propósito de construir ou comprar uma casa, contra 0,7% no período homólogo.

Ainda de acordo com o estudo, no 3º trimestre 2018 o indicador de confiança no consumidor inverteu a tendência ascendente, o que mostra a diminuição da confiança das famílias cabo-verdianas. Este indicador, avança o INE, evoluiu positivamente face ao mesmo período de 2017.

“Apesar deste indicador se situar abaixo da média da série, observa-se uma evolução positiva comparativamente ao trimestre homólogo. Este resultado explica-se basicamente pela apreciação da situação económica atual do país e o desemprego relativamente ao trimestre homólogo”, revela o inquérito.

Ler mais
Recomendadas

Conselho de administração da Agência Reguladora Multissectorial da Economia já foi nomeado

Trata-se de uma autoridade cabo verdiana, que desempenha a atividade administrativa de regulação técnica e económica dos sectores das comunicações, energia, água e transportes colectivos urbanos e interurbanos de passageiros.

Plano energético de Cabo Verde prevê penetração de renováveis de 50% até 2030

Nesta aposta em energias renováveis a baixo custo, o governo tem previsto no quadro do Orçamento do Estado para 2019 algumas medidas, uma delas, de acordo com Alexandre Monteiro, é a redução em 50% para as famílias que apostem em painéis solares.

Hotéis em Cabo Verde receberam mais de 170 mil hóspedes no terceiro trimestre

A ilha do Sal teve maior acolhimento, com 51,0% do total das entradas, seguida da ilha do Boa Vista, com 30,6%.
Comentários