Mais Porto Santo critica autarquia por conceder 25 mil euros à organização dos 600 anos

O Movimento Mais Porto Santo criticou ainda a proposta da autarquia para devolver 1% do IRS às famílias. O movimento diz que deveria existir uma devolução de 5%.

O Mais Porto Santo chumbou a proposta da autarquia que visava conceder um apoio de 25 mil euros à organização dos 600 anos do descobrimento da Madeira e do Porto Santo. O movimento diz que o evento foi assegurado por verbas do Orçamento Regional e que esta verba despendida pelo município serviria para pagar os manuais escolares.

O apoio concedido pela autarquia, afirma José António Castro, do Movimento Mais Porto Santo, no valor de 25 mil euros, daria para apoiar a aquisição de manuais e material escolar, e fazer com o Porto Santo deixasse de ser a única região da Madeira que não apoia as famílias para este fim.

“Temos vindo a insistir neste princípio, interpelámos o presidente do município para que se apoie pelo menos o alunos do 1.º Ciclo do Ensino Básico mas não é esse o entendimento de quem está refém do Governo Regional”, denuncia o vereador do Mais Porto Santo.

José António Castro saúda a abertura do PS nesta matéria, ainda que com “algumas reservas” tendo em conta que os socialistas “nada fizeram” em relação à aquisição dos livros escolares quando estiveram no poder.

A proposta de devolução de 1% do IRS às famílias, por parte da autarquia, foi considerada aberrante por parte do dirigente do Mais Porto Santo.

“É um ultraje esta ideia de reduzir para 1% a devolução do IRS às famílias. Estamos conscientes dos problemas financeiros com que se debate o município mas, garantimos, da nossa parte as contas do município nunca ficarão consolidadas com as verbas que são do povo. Nós vamos continuar a defender a devolução total do IRS (5%) à população”, vincou o vereador do Mais Porto Santo.

O Movimento volta a dizer que não está do lado do PSD ou do PS mas sim que tem como princípio “defender, ajudar, e valorizar” o Porto Santo acrescentando que vão “continuar a aprovar propostas” que são importantes para a ilha.

Ler mais
Recomendadas

Motorista do autocarro que teve acidente no Caniço já saiu do hospital

Neste momento, no hospital apenas mantém-se a guia turística que seguia também no autocarro, depois de ter realizado uma segunda intervenção cirúrgica. O SESARAM informa que a guia está a “evoluir favoravelmente”.

Comissão de inquérito às listas de espera arranca com audição ao Iasaúde

A comissão de inquérito arranca com as audições na segunda-feira. Já estão confirmadas as de Pedro Ramos, secretário regional da Saúde, a António Correia de Campos, antigo ministro da Saúde, à direcção clínica e conselho de administração do SESARAM, e ao presidente da Ordem dos Médicos da Madeira.

Deco aconselha a recusar o couvert se não pediu e não quer

A lei que regula as atividades económicas do comércio, serviços ou restauração está estabelece que “nenhum prato, produto alimentar ou bebida, incluindo o couvert, pode ser cobrado se não for solicitado pelo cliente”. Informa ainda que, uma vez colocadas as entradas solicitadas pelo consumidor na mesa, não podem ser trocadas ou devolvidas.
Comentários