Manchester City poderá ser proibido de jogar a Liga dos Campeões na próxima época

A UEFA abriu uma investigação ao clube inglês por suspeitas de ilegalidades cometidas nas regras sobre o fair play financeiro. A equipa que lidera atualmente a Premier League diz tratar-se de uma “tentativa de prejudicar a reputação do clube”.

O Manchester City pode ser impedido de disputar a edição de 2019/2020 da Liga dos Campeões, se ficar comprovado que o clube infringiu as regras do fair-play financeiro da UEFA. O órgão que tutela o futebol europeu abriu uma investigação em novembro, após a divulgação na revista alemã “Der Spiegel” de que o clube terá usado acordos com patrocinadores para contornar regras sobre as quantias autorizadas que os proprietários podiam ‘injetar’ na equipa inglesa, revela o jornal “The Guardian” esta terça-feira.

Na reunião do comité executivo da UEFA em Dublin, o presidente, Aleksander Ceferin, descreveu a investigação como “um caso concreto” e prometeu resultados “muito em breve”. As autoridades da UEFA acreditam que a integridade de uma das regras-chave da organização está sob ameaça e que as sanções desportivas são a única resposta apropriada caso se prove que o Manchester City não as cumpriu.

Os atuais campeões da Premier League já foram anteriormente multados em 49 milhões de libras (55 milhões de euros) por infringirem as regras do fair-play financeiro em 2014, tendo a mesma sido reduzida, posteriormente para 18 milhões de libras (20 milhões de euros) depois de cumprir as medidas operacionais e financeiras acordadas como parte dessa punição.

Contudo, os e-mails publicados pelo Football Leaks sugerem que as ações do Manchester City foram mais profundas e mais difundidas do que se pensava inicialmente. Numa troca de e-mails, Jorge Chumillas, diretor financeiro do clube inglês, parece revelar que um aparente acordo de patrocínio da Etihad Airlines, no valor de 68 milhões de libras (76 milhões de euros) para o clube, era em grande parte pago diretamente pelos proprietários do City, o Abu Dhabi United Group (ADUG).

O “Der Spiegel” afirma que o City “começou a ficar preocupado” com o não cumprimento dos padrões do fair play financeiro e, por isso, criou um “ciclo de pagamento fechado” no qual o ADUG pagou a terceiros para pagar ao clube pelos direitos de imagem dos seus jogadores.

Este circuito interno ficou conhecido como “Project Longbow”, e supostamente gerou receitas de 11 milhões de libras (12 milhões de euros) por ano para o clube.

O Manchester City já reagiu em comunicado a todas as alegações feitas pelo Football Leaks e pelo “Der Spiegel”, referindo que não “faz comentários sobre matérias fora do contexto supostamente hackeadas ou roubadas do City Football Group e de pessoas ligadas e associadas ao Manchester City. A tentativa de prejudicar a reputação do clube é organizada e clara”.

Ler mais
Recomendadas

Taça de Portugal: entre ‘leões’ e ‘dragões’, quem são os mais valiosos?

Os dados do portal ‘Transfermarkt’ revelam que os jogadores portistas valem mais que os homens de Alvalade. Os cinco mais valiosos de cada plantel valem um total de 255,5 milhões de euros.

Mito ou realidade: PIB português cresce sempre que o SL Benfica é campeão?

Analisámos a evolução do PIB nacional junto da Pordata e do INE entre 1994 e 2018. E encontrámos um denominador comum: sempre que a economia portuguesa entrou em recessão, o FC Porto foi campeão, embora a crise da dívida soberana e a troika também tenham tido uma palavra a dizer.

Guardiola vai treinar Cristiano Ronaldo? Italianos garantem que o negócio está fechado

A agência italiana AGI, indica que o acordo está fechado e falta só o anúncio por parte da Juventus. O técnico espanhol já terá rubricado um contrato válido para os próximos quatro anos, no valor de 24 milhões de euros por temporada.
Comentários