Manifestação de coletes amarelos em Paris obriga a fechar Torre Eiffel e dezenas de museus

A emblemática torre Eiffel estará fechada este sábado, tal como uma dezena de museus em Paris, para prevenir qualquer impacto de uma possível manifestação marcada pela violência.

Um forte dispositivo de segurança aguarda hoje as manifestações que o movimento “coletes amarelos” pretende realizar em várias cidades francesas, dado o nível de violência do fim de semana passado. O anúncio foi feito no passado dia 07 pelo primeiro-ministro Édouard Philippe.

O dispositivo vai voltar a mobilizar cerca de 80 mil polícias e agentes dos serviços de segurança, em toda a França, à semelhança do ocorrido em meados de dezembro, avançou o chefe do governo, prometendo que os manifestantes violentos “não vão ter a última palavra”.

O primeiro-ministro anunciou também que foi decidido interditar o acesso às manifestações dos participantes violentos identificados e que já foram condenados cerca de um milhar destes, desde o início dos protestos em 17 de novembro.

Este é o nono sábado de mobilização nacional contra o aumento dos combustíveis, por uma taxação mais justa e contra a queda do poder de compra.

A emblemática torre Eiffel estará fechada no sábado, tal como uma dezena de museus em Paris, para prevenir qualquer impacto de uma possível manifestação marcada pela violência.

Relacionadas

‘Coletes amarelos’ chegam a Londres. Brexit entre as reivindicações

Organização deste movimento pretende afastar o Partido Conservador do poder, onde se encontra desde 2010, e apela à realização de legislativas antecipadas.

Paris anuncia nível de segurança “considerável” para enquadrar ‘coletes amarelos’

Dispositivo vai voltar a mobilizar cerca de 80 mil polícias e agentes dos serviços de segurança, em toda a França, à semelhança do ocorrido em meados de dezembro, anunciou governo francês.

“Coletes amarelos, não desistam!” Governo italiano declara apoio a manifestantes franceses

“Coletes amarelos, não desistam!”, escreveu o vice-primeiro-ministro e líder do Movimento 5 Estrelas (M5S), Luigi di Maio, num texto publicado no blogue do partido.
Recomendadas

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.

Sérgio Moro diz que aceitou ir para o governo para consolidar combate à corrupção

O ministro da Justiça brasileiro falou esta quarta-feira sobre supostas mensagens divulgadas pelo “The Intercept”.

Cerimónia fúnebre de Dom Paulino Évora reúne centenas de pessoas na Praia

A ilha de Santiago disse adeus ao primeiro bispo de Cabo Verde. Dom Paulino Évora foi ordenado sacerdote em Portugal em 1962.
Comentários