Manifestação de coletes amarelos em Paris obriga a fechar Torre Eiffel e dezenas de museus

A emblemática torre Eiffel estará fechada este sábado, tal como uma dezena de museus em Paris, para prevenir qualquer impacto de uma possível manifestação marcada pela violência.

Um forte dispositivo de segurança aguarda hoje as manifestações que o movimento “coletes amarelos” pretende realizar em várias cidades francesas, dado o nível de violência do fim de semana passado. O anúncio foi feito no passado dia 07 pelo primeiro-ministro Édouard Philippe.

O dispositivo vai voltar a mobilizar cerca de 80 mil polícias e agentes dos serviços de segurança, em toda a França, à semelhança do ocorrido em meados de dezembro, avançou o chefe do governo, prometendo que os manifestantes violentos “não vão ter a última palavra”.

O primeiro-ministro anunciou também que foi decidido interditar o acesso às manifestações dos participantes violentos identificados e que já foram condenados cerca de um milhar destes, desde o início dos protestos em 17 de novembro.

Este é o nono sábado de mobilização nacional contra o aumento dos combustíveis, por uma taxação mais justa e contra a queda do poder de compra.

A emblemática torre Eiffel estará fechada no sábado, tal como uma dezena de museus em Paris, para prevenir qualquer impacto de uma possível manifestação marcada pela violência.

Relacionadas

‘Coletes amarelos’ chegam a Londres. Brexit entre as reivindicações

Organização deste movimento pretende afastar o Partido Conservador do poder, onde se encontra desde 2010, e apela à realização de legislativas antecipadas.

Paris anuncia nível de segurança “considerável” para enquadrar ‘coletes amarelos’

Dispositivo vai voltar a mobilizar cerca de 80 mil polícias e agentes dos serviços de segurança, em toda a França, à semelhança do ocorrido em meados de dezembro, anunciou governo francês.

“Coletes amarelos, não desistam!” Governo italiano declara apoio a manifestantes franceses

“Coletes amarelos, não desistam!”, escreveu o vice-primeiro-ministro e líder do Movimento 5 Estrelas (M5S), Luigi di Maio, num texto publicado no blogue do partido.
Recomendadas

Investimento estrangeiro: Macron ‘vende’ França como o país mais atrativo da Europa

Presidente francês convidou para o Palácio do Eliseu dezenas de empresários de topo em trânsito para Davos. O encontro, que faz parte de uma estratégia chamada ‘Escolha a França’, parece ter sido um sucesso.

Britânica Dyson deixa Londres e parte a caminho de Singapura

James Dyson, fundador da empresa de eletrodomésticos e um dos empresários que fez campanha em favor do Brexit, diz que a mudança tem apenas a ver com as inúmeras oportunidades que surgem na Ásia.

Quatro mulheres deixaram água e comida a migrantes. Foram condenadas nos EUA

Ativistas foram condenadas por um juiz norte-americano no final da semana passada. É a primeira sentença criminal por causas humanitárias no espaço de uma década.
Comentários