“Manter os telefones atualizados é do interesse de todos”. Google mantém para já atualizações nos Huawei

“Esta licença temporária permite-nos continuar a providenciar atualizações de software e correções de segurança para modelos existentes nos próximos 90 dias”, assegura a Google em comunicado.

A Google voltou atrás e decidiu trabalhar com a Huawei, nos próximos 90 dias, e assegurar a atualização necessária dos telemóveis da marca chinesa, pelo menos até 19 de agosto.

A notícia é avançada pela CNBC e tem por base a decisão do governo norte-americano em conceder três meses às empresas norte-americanas para ‘acertarem’ as suas estratégias com a gigante chinesa.

Com este período de 90 dias, a Google vai conseguir enviar atualizações de software para todos os telemóveis da Huawei que usem o sistema operacional Android.

“Manter os telefones atualizados e seguros é do interesse de todos e esta licença temporária permite-nos continuar a providenciar atualizações de software e correções de segurança para modelos existentes [de smartphones Huawei] nos próximos 90 dias”, cita o site norte-americano o comunicado da Google, emitido esta terça-feira.

No início da semana, a Google suspendeu todos os negócios com a Huawei que exigem a transferência de produtos de hardware e software, à exceção daqueles cobertos por licenças de código aberto. Logo a seguir, Donald Trump assinou uma ordem executiva que proíbe o uso de qualquer material da Huawei nos Estados Unidos e os resultados dessa medida começaram-se a fazer sentir.

Pouco tempo depois, o Departamento de Comércio dos EUA anunciou que havia concedido uma licença de 90 dias a empresas de telemóveis e empresas de banda larga para trabalharem com a Huawei para proteger os utilizadores contra riscos de segurança. Mas a exceção só dura até ao dia 19 de agosto.

Ou seja, a partir do dia 20 de agosto, caso os EUA não voltem atrás na sua decisão, então a situação entre a Huawei e as empresas americanas volta à ‘estaca zero’, deixando de haver relações comerciais entre ambas as partes.

Ler mais
Relacionadas

EUA dão três meses a empresas norte-americanas para negociar com Huawei e procurar alternativas

Desta forma, a Huawei vai assim poder utilizar componentes e programas informáticos norte-americanos antes da aplicação efetiva das sanções contra o grupo chinês e as empresas norte-americanas poderão encontrar alternativas às operações que têm com a Huawei.

Depois da “guerra comercial”, corte de relações entre Google e Huawei pode abrir caminho a uma “guerra tecnológica”

EUA têm abertas várias frentes de tensão internacional, sobretudo com a China. Primeiro, pela tensão comercial norte-americanos e chineses vivem momentos de conflitualidade a que acresce, agora, o boicote da administração à Huawei. Tal poderá abrir precedente para um “guerra tecnológica”. E se a China boicotar a Apple, que vê naquele país o seus segundo maior mercado de vendas.

“Por que continuamos a usar a Apple?”. China pondera retaliação face a ‘cerco’ norte-americano à Huawei

O mercado chinês é particularmente importante para a Apple dado que, depois dos Estados Unidos, a China é o segundo país no qual mais iPhone são vendidos. Guerra tecnológica pode conhecer novos capítulos nas próximas horas.
Recomendadas

Constâncio volta à mira dos deputados com omissões sobre créditos a Berardo debaixo de fogo

Ex-governador do Banco de Portugal volta a ser inquirido pelos deputados esta terça-feira, depois de notícias de que teve conhecimento prévio do financiamento da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo para comprar ações do BCP, informação que terá omitido na primeira audição. Vítor Constâncio já negou que tenha tido um papel preponderante neste crédito, que se revelaria ruinoso para o banco público.

Respostas Rápidas: Como o Novo Banco registou perdas de 1.869 milhões em 2018 com os ativos do mecanismo

O Fundo de Resolução explica as dúvidas sobre o Mecanismo de Capitalização Contingente usado para recapitalizar o Novo Banco. O valor a pagar ao abrigo do CCA em 2019 e referente ao ano 2018, de 1.149 milhões, resulta da comparação entre o valor acumulado das perdas nos ativos CCA e o valor da insuficiência de capital do banco face aos níveis acordados. O valor acumulado das perdas era maior: 1.870 milhões depois do pagamento de 792 milhões pelo Fundo em 2018.

Prazo para subscrever às “Obrigações TAP 2019-2023” termina esta terça-feira

Com este empréstimo obrigacionista lançado no dia 3 de junho, a TAP pretende levantar 200 milhões de euros. As obrigações têm uma maturidade de quatros anos e oferecem uma rentabilidade de 4,375% por ano. Os resultados da operação serão conhecidos esta quarta-feira, dia 19.
Comentários