“Manter os telefones atualizados é do interesse de todos”. Google mantém para já atualizações nos Huawei

“Esta licença temporária permite-nos continuar a providenciar atualizações de software e correções de segurança para modelos existentes nos próximos 90 dias”, assegura a Google em comunicado.

A Google voltou atrás e decidiu trabalhar com a Huawei, nos próximos 90 dias, e assegurar a atualização necessária dos telemóveis da marca chinesa, pelo menos até 19 de agosto.

A notícia é avançada pela CNBC e tem por base a decisão do governo norte-americano em conceder três meses às empresas norte-americanas para ‘acertarem’ as suas estratégias com a gigante chinesa.

Com este período de 90 dias, a Google vai conseguir enviar atualizações de software para todos os telemóveis da Huawei que usem o sistema operacional Android.

“Manter os telefones atualizados e seguros é do interesse de todos e esta licença temporária permite-nos continuar a providenciar atualizações de software e correções de segurança para modelos existentes [de smartphones Huawei] nos próximos 90 dias”, cita o site norte-americano o comunicado da Google, emitido esta terça-feira.

No início da semana, a Google suspendeu todos os negócios com a Huawei que exigem a transferência de produtos de hardware e software, à exceção daqueles cobertos por licenças de código aberto. Logo a seguir, Donald Trump assinou uma ordem executiva que proíbe o uso de qualquer material da Huawei nos Estados Unidos e os resultados dessa medida começaram-se a fazer sentir.

Pouco tempo depois, o Departamento de Comércio dos EUA anunciou que havia concedido uma licença de 90 dias a empresas de telemóveis e empresas de banda larga para trabalharem com a Huawei para proteger os utilizadores contra riscos de segurança. Mas a exceção só dura até ao dia 19 de agosto.

Ou seja, a partir do dia 20 de agosto, caso os EUA não voltem atrás na sua decisão, então a situação entre a Huawei e as empresas americanas volta à ‘estaca zero’, deixando de haver relações comerciais entre ambas as partes.

Ler mais
Relacionadas

EUA dão três meses a empresas norte-americanas para negociar com Huawei e procurar alternativas

Desta forma, a Huawei vai assim poder utilizar componentes e programas informáticos norte-americanos antes da aplicação efetiva das sanções contra o grupo chinês e as empresas norte-americanas poderão encontrar alternativas às operações que têm com a Huawei.

Depois da “guerra comercial”, corte de relações entre Google e Huawei pode abrir caminho a uma “guerra tecnológica”

EUA têm abertas várias frentes de tensão internacional, sobretudo com a China. Primeiro, pela tensão comercial norte-americanos e chineses vivem momentos de conflitualidade a que acresce, agora, o boicote da administração à Huawei. Tal poderá abrir precedente para um “guerra tecnológica”. E se a China boicotar a Apple, que vê naquele país o seus segundo maior mercado de vendas.

“Por que continuamos a usar a Apple?”. China pondera retaliação face a ‘cerco’ norte-americano à Huawei

O mercado chinês é particularmente importante para a Apple dado que, depois dos Estados Unidos, a China é o segundo país no qual mais iPhone são vendidos. Guerra tecnológica pode conhecer novos capítulos nas próximas horas.
Recomendadas

“Garra Vimaranense” guia estratégia de captação de turismo

A estratégia apresentada pela Câmara Municipal de Guimarães concretiza-se através de três programas principais, 12 projetos e 48 subprojetos que envolverão toda a população vimaranense.

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

BCP convoca assembleia de obrigacionistas para discutir fusão do BII

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco. BCP garante que a fusão não terá impacto para os trabalhadores do BII e que a sua incorporação contabilística no banco liderado por Miguel Maya será considerada a partir do dia 1 de janeiro de 2019, se entretanto a operação for autorizada pelo Banco Central Europeu.
Comentários