Manuel Pinho poderá ter usado perdão fiscal para limpar ‘luvas’ do BES

O Ministério Público, que se encontra a investigar o caso EDP, pretende ter os documentos no caso GES sobre a adesão do ex-ministro da Economia ao Regime Excecional de Regularização Tributária.

O Ministério Público (MP) suspeita que Manuel Pinho tenha aderido aos perdões fiscais dos Governos de José Socrates e Pedro Passos Coelho para legalizar o dinheiro pago pelo Banco Espírito Santo (BES), segundo revela a edição de segunda-feira, 24 de setembro, do “Correio da Manhã” (CM).

Segundo o CM, os procuradores que se encontram a investigar o caso EDP terão conhecimento da existência de provas no processo de investigação ao Grupo Espírito Santo (GES), de que o ex-ministro da Economia aderiu ao Regime Excecional de Regularização Tributária (RERT) III, que foi aplicado pelo executivo de Pedro Passos Coelho em 2012, mas suspeitam também de que terá aderido aos perdões fiscais criados durante o mandato de José Socrates.

Entre 2002 e 2014, Manuel Pinho terá alegadamente recebido da Espírito Santo (ES) Enterprise o ‘saco azul’ do GES, por via de sociedades offshore, mais de três milhões de euros. De março de 2005 a junho de 2009, período em que foi ministro da Economia, Manuel Pinho terá recebido do GES perto de 15 mil por mês.

Relacionadas

Do Marquês ao e-toupeira: Sete processos que marcaram o mandato de Joana Marques Vidal

Da política, passando pelas empresas, até ao desporto, nenhum sector escapou às investigações criminais do MP. Estes foram os processos mais mediáticos que marcaram o mandato da procuradora-geral.

PremiumComissão às rendas excessivas acelera audições antes de pausa para o OE

O ex-ministro da Economia Manuel Pinho fecha a lista de 11 novas convocatórias, a 17 de outubro, data em que a comissão parlamentar para os trabalhos para o debate sobre o Orçamento do Estado (OE) para 2019.

Comissão parlamentar quer ouvir Manuel Pinho em 17 de outubro

Fonte parlamentar adiantou à agência Lusa que para 17 de outubro ficou agendada a audição do ex-ministro da Economia Manuel Pinho, sendo esta a última data deste lote de inquirições previstas.
Recomendadas

Marta Temido: Parecer da PGR diz que greve dos enfermeiros é “ilícita”

Ministério da Saúde reagiu em conferência de imprensa ao parecer do Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República (PGR), pedido em janeiro, que diz que greve cirúrgica é ilegal.

EconPol diz que União Bancária não protege bancos europeus das repercussões de uma crise orçamental italiana

Os planos orçamentais do novo governo italiano têm o potencial de desencadear uma nova crise financeira, diz o analista da EconPol Europe, Timo Wollmershäuser.

Carlos Moedas defende critérios para o investimento estrangeiro na Europa

Carlos Moedas destaca que o investimento chinês na Europa cresceu 600% entre 1995 e 2015, “com claras implicações na distribuição de poder a nível internacional”.
Comentários