Marcelo ainda não tomou posição sobre a “nomeação do Procurador Geral da República”

O Presidente da República nega ter manifestado “nem pública nem privadamente, qualquer posição sobre a matéria”.

O Presidente da República garante que ainda não tomou uma posição relativamente à nomeação do próximo Procurador-Geral da República ou à recondução de Joana Marques Vidal no cargo.

Numa nota publicada online pela Presidência da Républica Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa afirma já ter esclarecido à imprensa que nunca tomou, nem manifestou, qualquer opinião sobre a nomeação do(a) Procurador(a)-Geral da República.

”O Presidente da República nunca manifestou, nem pública nem privadamente, qualquer posição sobre a matéria respeitante à nomeação do Procurador Geral da República”, pode ler-se no comunicado do chefe de Estado português.

A mensagem do Presidente surge dias depois de o semanário ‘’Expresso” ter avançado que seria quase certa a recondução de Joana Marques Vidal no Ministério Público e que faltava apenas ouvir o que têm a dizer os partidos com assento parlamentar. O jornal adiantou mesmo que o primeiro ministro, António Costa, e Marcelo Rebelo de Sousa até já teriam combinado uma data e a forma de anunciar a sua recondução.’’

Relacionadas

CDS a favor da recondução de Joana Marques Vidal

Assunção Cristas pede para que o Presidente da República ouça os partidos sobre escolha de nomeação do procurador-geral da República.

Joana Marques Vidal deverá continuar na PGR

O semanário “Expresso” revela que falta apenas ouvir os partidos com assento parlamentar. António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa já terão combinado a data e a forma de anunciar a recondução.

Joana Marques, Vital para Costa

Em contraste com o vociferar de apoio à PGR, Costa emendou a mão e remeteu-se ao silêncio. Não sendo possível apagar o erro anterior, havia que salvaguardar-se ao máximo.
Recomendadas

Presidente do Turismo do Norte detido por viciação de contratos públicos

Melchior Moreira é um dos cinco detidos no âmbito de uma investigação relativa à presumível viciação de procedimentos de contratação pública.

Santander investigado por fraude fiscal que terá custado cerca de 10 mil milhões de euros à Alemanha

A justiça alemã enviou uma carta ao Santander informando que os espanhóis eram suspeitos de”planear e executar transações” que facilitaram uma “massiva evasão fiscal” entre os anos de 2007 e 2011.

Juiz Carlos Alexandre alvo de inquérito disciplinar

Em causa está o facto de ter contestado o sorteio do processo que envolve o ex-primeiro ministro José Sócrates.
Comentários