Marcelo condiciona recandidatura a Belém a exames médicos que fará em breve

O Presidente da República condicionou a sua recandidatura a Belém ao seu estado de saúde, numa entrevista à SIC na qual admitiu sofrer de problemas cardíacos.

marcelo_rebelo_sousa_legislativas
Rui Ochôa/Presidência da República

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condicionou a sua recandidatura a Belém ao seu estado de saúde, numa entrevista à SIC na qual admitiu sofrer de problemas cardíacos.

“Terei de fazer daqui a umas semanas um cateterismo”, assumiu o chefe de Estado numa entrevista ao programa da SIC Alta Definição, de Daniel Oliveira, referindo existir na sua família um histórico de problemas cardíacos.

Um excerto do programa, que vai ser transmitido no sábado, foi hoje exibido no Jornal da Noite.

Marcelo Rebelo de Sousa disse que, se decidir recandidatar-se, tenciona manter o “estilo de Presidência”, que é “de proximidade”, e, por isso, terá de estar em boas condições de saúde.

“Se for reeleito, não vou fechar-me no palácio, deixar-me ir, para me preservar, para não me expor”, salientou, reconhecendo de seguida: “O resultado das eleições legislativas não criou nenhum fator, no meu espírito, perturbador de uma recandidatura”.

O Presidente admitiu também que, em termos de percentagem, está hoje mais próximo da recandidatura do que do inverso.

Ler mais
Recomendadas

Dia internacional da gaguez: “Vou passar o dia a gaguejar em modo comemoração”, diz Joacine Katar Moreira

A deputada eleita pelo Livre colocou a gaguez na ordem do dia em Portugal. O seu partido vai pedir ao Parlamento para conceder tolerância de tempo à deputada, invocando um “tratamento igualitário e igualdade de oportunidades” para expor as suas ideias.

Tribunal Constitucional rejeita pedido do PSD sobre votos nulos da emigração

A tomada de posse da Assembleia da República e do Governo pode acontecer ainda esta semana.

Negrão diz que Rio como líder do partido e da bancada é “boa solução a curto prazo”

O líder parlamentar cessante considera que a decisão do atual presidente do PSD, Rui Rio, em acumular a liderança do partido com a do grupo parlamentar não é uma boa solução a longo prazo, mas vai permitir uma oposição “acutilante” no curto prazo.
Comentários