Marcelo condiciona recandidatura a Belém a exames médicos que fará em breve

O Presidente da República condicionou a sua recandidatura a Belém ao seu estado de saúde, numa entrevista à SIC na qual admitiu sofrer de problemas cardíacos.

marcelo_rebelo_sousa_legislativas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condicionou a sua recandidatura a Belém ao seu estado de saúde, numa entrevista à SIC na qual admitiu sofrer de problemas cardíacos.

“Terei de fazer daqui a umas semanas um cateterismo”, assumiu o chefe de Estado numa entrevista ao programa da SIC Alta Definição, de Daniel Oliveira, referindo existir na sua família um histórico de problemas cardíacos.

Um excerto do programa, que vai ser transmitido no sábado, foi hoje exibido no Jornal da Noite.

Marcelo Rebelo de Sousa disse que, se decidir recandidatar-se, tenciona manter o “estilo de Presidência”, que é “de proximidade”, e, por isso, terá de estar em boas condições de saúde.

“Se for reeleito, não vou fechar-me no palácio, deixar-me ir, para me preservar, para não me expor”, salientou, reconhecendo de seguida: “O resultado das eleições legislativas não criou nenhum fator, no meu espírito, perturbador de uma recandidatura”.

O Presidente admitiu também que, em termos de percentagem, está hoje mais próximo da recandidatura do que do inverso.

Ler mais
Recomendadas

10 de Junho celebrado nos Jerónimos com discursos de Tolentino Mendonça e do Presidente

O Dia de Portugal vai ser assinalado com uma “cerimónia simbólica” no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, às 11:00 de 10 de Junho, com discursos do presidente das comemorações, cardeal Tolentino Mendonça, e do chefe de Estado.

PSD não se opõe a que Governo “encomende o trabalho a quem quer que seja”, mas defende que “interlocutores têm de ser ministros”

O presidente do PSD não rejeita a hipótese de António Costa Silva poder estar presente nas reuniões que o Governo terá com os partidos e parceiros sociais para discutir o plano de recuperação da economia, mas sublinha que o gestor da Partex não pode ser “o interlocutor para os partidos da oposição e para a Assembleia da República”.

BE quer que Fisco deixe de cobrar portagens e dívidas das concessionárias de autoestradas

A medida visa acabar com a utilização de recursos públicos para a cobrança de dívidas de entidades privadas, com o BE a defender que o Fisco se tornou nos últimos anos uma espécie de “‘cobrador do fraque’ das concessionárias de autoestradas”.
Comentários