Marcelo desloca-se a campo de refugiados na Grécia

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, desloca-se hoje a um campo de refugiados, em Tebas, no último dia da sua visita de Estado à Grécia, a convite do seu homólogo grego, Prokopios Pavlopoulos.

Foto: Cristina Bernardo
Ler mais

O chefe de Estado está na Grécia desde segunda-feira, acompanhado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e os refugiados têm sido um tema em destaque nesta visita, juntamente com a conclusão do programa de assistência da Grécia e o futuro da União Europeia.

Marcelo Rebelo de Sousa tem elogiado a forma como os gregos têm acolhido milhares de refugiados “garantindo que a tradição europeia de acolhimento, proteção e asilo não era posta em causa”, e considerou que existe “uma imprescritível dívida de gratidão para com a Grécia”.

Na terça-feira, o Presidente da República declarou-se expectante face às visitas que vai fazer hoje de manhã ao campo de refugiados de Tebas, a cerca de uma hora de carro de Atenas, gerido pela Organização Internacional das Migrações, e a um centro social de apoio a refugiados, na capital grega.

Entre as duas visitas, Marcelo Rebelo de Sousa irá almoçar na residência oficial do embaixador de Portugal em Atenas, Rui Tereno, com um conjunto de personalidades da sociedade civil grega com ligações a Portugal.

A sua visita de Estado à Grécia terminará com um debate aberto sobre “As raízes e o futuro da Europa”, com a participação também do Presidente da República Helénica, Prokopios Pavlopoulos.

Num comunicado divulgado na semana passada, a Presidência da República indicou como objetivos desta visita “reforçar os sólidos laços de amizade e cooperação” entre Portugal e a Grécia e “também transmitir um sinal político de apoio às autoridades gregas na gestão da crise migratória e de refugiados”.

Além do ministro dos Negócios Estrangeiros, a comitiva desta visita de Estado inclui os deputados Amadeu Albergaria, do PSD, Sofia Araújo, do PS, Álvaro Castelo Branco, do CDS-PP, Paulo Sá, do PCP, e José Manuel Pureza, do BE, que é vice-presidente da Assembleia da República.

Recomendadas

Despesas dos eurodeputados devem continuar a ser secretas, decide Tribunal de Justiça da UE

Cada deputado ao Parlamento Europeu recebe cerca de 4 mil euros por mês para “despesas gerais” do respetivo gabinete. Tribunal de Justiça da União Europeia rejeita apelo de maior transparência, nomeadamente através da apresentação de faturas das despesas, porque isso colocaria em causa a “privacidade” dos eurodeputados.

Portugal aceita 10 de 58 refugiados do Aquarius II

O Governo não aceitou conceder bandeira portuguesa à embarcação, a que foi retirada a bandeira do Panamá. A iniciativa tinha sido sugerida pelo Bloco de Esquerda.

Deputados municipais do BE e do PSD querem PGR a analisar atuação de vereador Manuel Salgado em Lisboa

Propostas para que a atuação do vereador do Urbanismo de Lisboa seja passada a pente fino pela Procuradoria-geral da República e pelos deputados surgiu das bancadas parlamentares municipais do Bloco de Esquerda e do Partido Social Democrata.
Comentários