Marcelo elogia “equilíbrio difícil” da governação em Portugal

“É um equilíbrio difícil. Há os que dizem: é demasiada redução do défice. Há os que dizem: é demasiada preocupação social. O equilíbrio, nesta situação, é uma prova de vivência e maturidade democrática”. Presidente da República abordou o modelo de governação em Portugal junto de alunos espanhóis.

Cristina Bernardo

O Presidente da República considerou hoje que Portugal tem uma “governação de legislatura”, embora “com tensões”, que busca “um equilíbrio difícil” entre consolidação orçamental e preocupação social, com “bons resultados” até agora, “muito bom” para o país.

“É um equilíbrio difícil. Há os que dizem: é demasiada redução do défice. Há os que dizem: é demasiada preocupação social. O equilíbrio, nesta situação, é uma prova de vivência e maturidade democrática. É possível, na Europa, ter diferentes vias para a construção do equilíbrio financeiro. São diferentes, são diversas, umas à direita, outras à esquerda”, afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa, que falava na Universidade Carlos III, em Madrid, onde se encontra em visita de Estado a Espanha, acrescentou: “Então, Portugal tenta, busca apresentar uma via de equilíbrio – até hoje, com bons resultados. Isto é muito bom para Portugal, é muito bom para os portugueses”.

O chefe de Estado tinha sido questionado por uma aluna sobre o “sucesso da recuperação” económica de Portugal.

Na resposta, avisando que iria falar no seu “péssimo castelhano”, o Presidente da República começou por recusar que se veja essa evolução económica recente como “um milagre”, contrapondo que resulta do “trabalho de dois governos” e também de “causas externas”.

Recomendadas

Preços da habitação aumentam 11,2% no segundo trimestre

Apesar da subida, os dados do INE revelaram uma interrupção da aceleração dos preços, que tinha sido consecutiva durante os cinco trimestres anteriores.

Défice do primeiro semestre fixou-se em 1,9%

Dados revelados pelo INE esta sexta-feira revelam melhoria face aos primeiros seis meses de 2017, no qual o saldo global das Administrações Públicas (AP) se tinha fixado em 6,1%, devido ao impacto da recapitalização da CGD.

Já não há dúvidas. INE confirma pela segunda vez que CGD entra no défice de 2017

A confirmação foi dada pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), que enviou esta sexta-feira para o Eurostat a segunda notificação anual no âmbito dos Procedimento dos Défices Excessivos (PDE).
Comentários