Marcelo espera que eleições sejam “passo importante” para o futuro de Moçambique

O Presidente da Republica afirmou esperar que estas eleições “possam ser a continuação de um processo, abrindo para um futuro”, porque “um futuro melhor para Moçambique é um futuro melhor para Portugal”.

marcelo_rebelo_sousa_legislativas_voto
Hugo Delgado/Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, fez hoje votos de que as eleições gerais em Moçambique sejam “pacíficas, participadas e um passo importante no sentido do futuro político, económico e social” daquele país.

Em declarações aos jornalistas em Midões, no concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa disse esperar que estas eleições “possam ser a continuação de um processo, abrindo para um futuro”, porque “um futuro melhor para Moçambique é um futuro melhor para Portugal”.

O chefe de Estado português manifestou o desejo de que o mesmo aconteça em novembro, nas eleições presidenciais da Guiné-Bissau.

Dez tentativas de fraude recorrendo a boletins de voto extra foram hoje detetadas durante as eleições gerais em Moçambique, segundo o Centro de Integridade Pública (CIP), organização moçambicana anticorrupção que está a participar na observação eleitoral.

Segundo a organização não governamental, com base nos relatos da sua rede de observadores, desde o início da votação, às 07:00 (menos uma hora em Lisboa), “têm sido apanhadas pessoas com boletins em branco ou marcados a favor da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e do seu candidato presidencial”, Felipe Nyusi.

Um total de 13,1 milhões de eleitores moçambicanos puderam hoje escolher o Presidente da República, 250 deputados do parlamento, dez governadores provinciais e respetivas assembleias.

As sextas eleições gerais de Moçambique contam com quatro candidatos presidenciais e 26 partidos a concorrer às legislativas e provinciais, sendo que só os três partidos com assento parlamentar no país (Frelimo, Renamo e MDM) concorrem em todos os círculos eleitorais.

Ler mais
Recomendadas

“Não garanto que vá haver aumento de 1% em 2021”, diz ministra da Administração Pública

Porém, Alexandra Leitão garante que o congelamento de progressões da função pública “não está em cima da mesa”.

CDS-PP conta debater plano de recuperação com “Costa e Siza” e “não com Costa Silva”

Os democratas-cristãos salientam que, há três meses, “o CDS sugeriu ao Governo a criação de um gabinete de crise para relançar social e economicamente o país, que integrasse representantes de vários setores fundamentais e todos os partidos com assento parlamentar”.

Jerónimo de Sousa: “Caiu por terra a teoria de que estamos todos no mesmo barco”

O secretário-geral do PCP diz que “a ilusão de que vai tudo ficar bem” “caiu por terra” com a pandemia e o encerramento de unidades educativas e critica “a medida do Governo de levar os estudantes do ensino profissional a terem de realizar uma autêntica volta pelo país para fazerem exames para os quais não foram preparados, para concorrer a meia dúzia de vagas”.
Comentários