Marcelo espera que Lucília Gago projete em seis anos “marcante legado” da sua antecessora

O Presidente da República defendeu hoje que a nova procuradora-geral da República, Lucília Gago, tem condições para “projetar e enriquecer” nos seis anos em que estiver no cargo “o marcante legado” da sua antecessora, Joana Marques Vidal.

Miguel A. Lopes / Lusa

Na cerimónia de posse da nova procuradora-geral da República, na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém, em Lisboa, o chefe de Estado insistiu que o titular deste cargo deve exercer um mandato único e disse que Lucília Gago irá, em nome dos portugueses, “servir por seis anos o interesse nacional”.

Antes, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que a designação de Lucília Gago é “processada nos mesmos termos adotados desde a revisão constitucional de 1997, isto é, tendo presente a limitação de mandatos – que, obviamente, só existe se o mandato for único”.

Dirigindo-se à nova procuradora-geral da República, acrescentou: “É tempo de lhe dizer do muito que vossa excelência se espera e do muito com que pode contar para enfrentar tal esperança”.

Segundo o Presidente da República, Lucília Gago demonstrou “relevantes qualidades pessoais e profissionais no decurso de uma longa e diversificada carreira no Ministério Público, também ela atenta à investigação criminal” e integrava já a Procuradoria-Geral da República.

“Encontra-se, pois, em situação privilegiada para receber e projetar e enriquecer no futuro, com as características que lhe são próprias, o marcante legado deixado pela sua antecessora”, considerou.

Relacionadas

Lucília Gago defende que PGR não é “uma figura messiânica”

Na sessão de tomada de posse da nova Procuradora-Geral da Repúblcia (PGR), Lucília Gago recusou a ideia de que o titular do cargo é responsável por todos os sucessos e insucessos da estrutura que agora vai dirigir, “como de se uma figura messiânica se tratasse”. A nova PGR salientou que o mérito é de “todos os órgãos e agentes do MP cuja prestação tecnicamente irrepreensível, concertada e leal é essencial”.
Recomendadas

Juiz mantém ex-diretor da Polícia Judiciária Militar em prisão preventiva

O juiz de instrução criminal que acompanha o caso das armas furtadas em Tancos manteve a prisão preventiva do ex-diretor da Polícia Judiciária Militar (PJM) Luís Vieira durante mais três meses, disse à Lusa o seu advogado.

PGR defende manutenção da composição do Conselho Superior do MP

A procuradora-geral da República (PGR), Lucília Gago, afirmou hoje que qualquer alteração à composição do Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) seria uma “grave violação do princípio da autonomia”.

Tancos: PJ deteve oito pessoas após buscas na zona centro e sul do país

Em causa estão factos suscetíveis de integrarem crimes de associação criminosa, furto, detenção e tráfico de armas, terrorismo internacional e tráfico de estupefacientes.
Comentários