Marcelo espera que Lucília Gago projete em seis anos “marcante legado” da sua antecessora

O Presidente da República defendeu hoje que a nova procuradora-geral da República, Lucília Gago, tem condições para “projetar e enriquecer” nos seis anos em que estiver no cargo “o marcante legado” da sua antecessora, Joana Marques Vidal.

Miguel A. Lopes / Lusa

Na cerimónia de posse da nova procuradora-geral da República, na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém, em Lisboa, o chefe de Estado insistiu que o titular deste cargo deve exercer um mandato único e disse que Lucília Gago irá, em nome dos portugueses, “servir por seis anos o interesse nacional”.

Antes, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que a designação de Lucília Gago é “processada nos mesmos termos adotados desde a revisão constitucional de 1997, isto é, tendo presente a limitação de mandatos – que, obviamente, só existe se o mandato for único”.

Dirigindo-se à nova procuradora-geral da República, acrescentou: “É tempo de lhe dizer do muito que vossa excelência se espera e do muito com que pode contar para enfrentar tal esperança”.

Segundo o Presidente da República, Lucília Gago demonstrou “relevantes qualidades pessoais e profissionais no decurso de uma longa e diversificada carreira no Ministério Público, também ela atenta à investigação criminal” e integrava já a Procuradoria-Geral da República.

“Encontra-se, pois, em situação privilegiada para receber e projetar e enriquecer no futuro, com as características que lhe são próprias, o marcante legado deixado pela sua antecessora”, considerou.

Relacionadas

Lucília Gago defende que PGR não é “uma figura messiânica”

Na sessão de tomada de posse da nova Procuradora-Geral da Repúblcia (PGR), Lucília Gago recusou a ideia de que o titular do cargo é responsável por todos os sucessos e insucessos da estrutura que agora vai dirigir, “como de se uma figura messiânica se tratasse”. A nova PGR salientou que o mérito é de “todos os órgãos e agentes do MP cuja prestação tecnicamente irrepreensível, concertada e leal é essencial”.
Recomendadas

PGR confirma investigação da venda do Pavilhão Atlântico a genro de Cavaco Silva

Informação foi avançada esta sexta-feira à revista “Sábado”. Luís Montez ganhou o concurso em julho de 2012, comprando o emblemático edifício por 21,2 milhões de euros, metade do que o Estado gastara na sua construção.

Diretora da cadeia de Paços de Ferreira apresenta demissão

Maria Fernanda Monteiro Barbosa deixa o cargo na sequência de vários acontecimentos em que o estabelecimento se viu envolvido nos últimos dias.

Sporting não recorre de decisão do processo e-toupeira

Além do Ministério Público, só António Perdigão da Silva, ex-árbitro e assistente no processo apresentaram recurso da decisão do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC).
Comentários