Marcelo espera que Lucília Gago projete em seis anos “marcante legado” da sua antecessora

O Presidente da República defendeu hoje que a nova procuradora-geral da República, Lucília Gago, tem condições para “projetar e enriquecer” nos seis anos em que estiver no cargo “o marcante legado” da sua antecessora, Joana Marques Vidal.

Miguel A. Lopes / Lusa

Na cerimónia de posse da nova procuradora-geral da República, na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém, em Lisboa, o chefe de Estado insistiu que o titular deste cargo deve exercer um mandato único e disse que Lucília Gago irá, em nome dos portugueses, “servir por seis anos o interesse nacional”.

Antes, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que a designação de Lucília Gago é “processada nos mesmos termos adotados desde a revisão constitucional de 1997, isto é, tendo presente a limitação de mandatos – que, obviamente, só existe se o mandato for único”.

Dirigindo-se à nova procuradora-geral da República, acrescentou: “É tempo de lhe dizer do muito que vossa excelência se espera e do muito com que pode contar para enfrentar tal esperança”.

Segundo o Presidente da República, Lucília Gago demonstrou “relevantes qualidades pessoais e profissionais no decurso de uma longa e diversificada carreira no Ministério Público, também ela atenta à investigação criminal” e integrava já a Procuradoria-Geral da República.

“Encontra-se, pois, em situação privilegiada para receber e projetar e enriquecer no futuro, com as características que lhe são próprias, o marcante legado deixado pela sua antecessora”, considerou.

Relacionadas

Lucília Gago defende que PGR não é “uma figura messiânica”

Na sessão de tomada de posse da nova Procuradora-Geral da Repúblcia (PGR), Lucília Gago recusou a ideia de que o titular do cargo é responsável por todos os sucessos e insucessos da estrutura que agora vai dirigir, “como de se uma figura messiânica se tratasse”. A nova PGR salientou que o mérito é de “todos os órgãos e agentes do MP cuja prestação tecnicamente irrepreensível, concertada e leal é essencial”.
Recomendadas

PremiumCadeia de Lisboa fecha até 2020, abrindo a porta a negócio de milhões

Cadeia de Lisboa será encerrada até 2020, apurou o JE. Terreno situado em pleno coração da capital vale mais de 200 milhões de euros e deverá acolher o novo Campus da Justiça. Parte do terreno ficará para a CML e poderá ter lugar a venda a privados.

Presidente do Turismo do Norte detido por viciação de contratos públicos

Melchior Moreira é um dos cinco detidos no âmbito de uma investigação relativa à presumível viciação de procedimentos de contratação pública.

Santander investigado por fraude fiscal que terá custado cerca de 10 mil milhões de euros à Alemanha

A justiça alemã enviou uma carta ao Santander informando que os espanhóis eram suspeitos de”planear e executar transações” que facilitaram uma “massiva evasão fiscal” entre os anos de 2007 e 2011.
Comentários