Marcelo já teve alta e decide nos próximos dias sobre diploma do financiamento dos partidos

O Presidente da República esclarece que irá tomar uma decisão sobre o diploma do financiamentos dos partidos políticas na altura e no momento em que entender.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já teve alta hospitalar este domingo depois da operação a uma hérnia umbilical. Nesta ocasião aproveitou para esclarecer que vai decidir nos próximos dias se promulga, ou veta, as alterações ao regime da fiscalização e financiamento dos partidos políticos.

“Hoje estamos no domingo, amanhã é feriado e, portanto, nos dias úteis seguintes a estes dias decidirei uma de duas coisas. Ou promulgo o envio para o devido efeito, referenda e publicação ou envio uma mensagem à Assembleia da República a explicar o veto político”, clarificou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas.

O Presidente da República no entanto não especificou uma data em concreto para a sua decisão explicando que vai tomar uma posição sobre este assunto “na altura e no momento em que entender”.

Marcelo Rebelo de Sousa disse ainda que não enviou para o Tribunal Constitucional este diploma para fiscalização preventiva por entender que “não o devia pedir”.

Relacionadas

“Amplo consenso” deu origem às alterações ao financiamento dos partidos, sublinha Costa

O primeiro-ministro defendeu hoje que as alterações à lei de financiamento dos partidos visaram aclarar dúvidas do Tribunal Constitucional e não aumentar isenções de IVA, resultando no mais “um amplo consenso” na matéria de que se recorda.

Financiamento partidário: Tribunal Constitucional recusa comentar mudanças e diz que lei dá resposta na fiscalização

O presidente do Tribunal Constitucional recusou comentar as alterações ao financiamento partidário alegando que aquele órgão não é um “agente político” mas considerou que as mudanças à fiscalização dão resposta no essencial às preocupações que tinha manifestado.

Partidos podem ficar com IVA melhor do que IPSS (e receber 9 milhões em imposto)

“Um partido político passa a poder deduzir todo o IVA das festas, mas uma IPSS não pode deduzir 100% do IVA da comida que serve aos idosos”, explica um fiscalista ao “Jornal de Negócios”.

Partidos violam sistematicamente a lei de financiamento desde que foi aprovada em 2003

Ano após ano, quase todos os partidos (com ou sem representação parlamentar) desrespeitaram várias normas da lei de financiamento dos partidos políticos e das campanhas eleitorais. As alterações que acabam de aprovar no Parlamento vão servir para contornar essas normas e deixar de pagar coimas anuais de milhares de euros.

“Novos riscos de corrupção”. Associação Transparência e Integridade pede veto às alterações ao financiamento partidário

A associação Transparência e Integridade apelou hoje ao Presidente da República para que vete o diploma que alterou a lei do financiamento dos partidos políticos, considerando que representa uma “ameaça séria à qualidade das instituições democráticas”.
Recomendadas

PremiumPersistem dúvidas sobre o aumento salarial dos funcionários públicos

Centeno reiterou que só há 50 milhões de euros para os aumentos salariais. PCP remete para negociação com sindicatos, BE vai insistir na especialidade.

Bloco de Esquerda quer acordo escrito com o PS para dar mais clareza às propostas

“Tem de ter como base compromissos mais vastos, compromissos com o país, como recuperar as pensões ou baixar o número de alunos por turma ou ter mais manuais gratuitos”, afirma a coordenadora do BE, Catarina Martins, numa entrevista conjunta ao jornal “Público” e à “Rádio Renascença”.

“Este orçamento aposta nas eleições”, critica Rui Rio

Rio escusou-se a revelar se o PSD votará contra este orçamento na votação na Assembleia da República, apontando que essa será uma decisão a ser tomada pelo partido.
Comentários