Marcelo não se pronuncia sobre crédito da Caixa a Isabel dos Santos

“Não comento casos específicos nesse domínio, como noutros”, disse Presidente da República, questionado sobre as notícias do empréstimo de 125 milhões de euros pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) a Isabel dos Santos, sem que a instituição tenha avaliado se a empresária tinha capacidade financeira para pagar.

Cristina Bernardo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recusou-se a comentar as notícias sobre o empréstimo de 125 milhões de euros pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) a Isabel dos Santos, sem que a instituição tenha avaliado se a empresária tinha capacidade financeira para pagar.

“Não comento casos específicos nesse domínio, como noutros”, disse este sábado Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas à margem do “1º Fórum de Economistas das Capitais de Língua Portuguesa”, em Lisboa.

O Correio da Manhã noticiou este sábado que a instituição financeira concedeu o empréstimo à empresaria angolana apesar das dúvidas e do parecer da Direção-Geral de Risco. O montante permitiu à empresária angolana comprar, em conjunto com outros fundos agregados na Kento Holding Limited, ações representativas de 10% do capital social da Zon (a atual Nos), tendo parte deste montante sido direcionado para adquirir ações da Zon à própria CGD. O banco público vendeu posteriormente 2% do capital da Zon nesta operação.

Isabel dos Santos já reagiu à notícia do matutino, através de uma publicação no twitter, e garantiu hoje ter “todos os pagamentos em dia” relativamente ao crédito de 125 milhões de euros contraído junto da CGD em 2009, afirmando que do financiamento original de 125 milhões de euros, “60% [está] amortizado e todos os pagamentos em dia”.

Questionado se na banca, os países da CPLP podem beneficiar de algum privilégio na concessão de créditos, o Presidente da República disse que “a cooperação económica tem vindo a estreitar-se ao longo dos anos”.

“No futuro, o que é natural é que esse estreitamente, que já é muito intenso entre vários países. Há países que tem ligações específica em termos monetários e portanto financeiros, mas penso que a tendência é essa. Haver um estreitamente a todos os níveis em países da CPLP”, acrescentou.

Ler mais
Relacionadas

Isabel dos Santos diz que pagamentos do crédito de 125 milhões de euros à CGD estão “em dia”

Empresária angolana reagiu à notícia do Correio da Manhã que avançou que o crédito concedido pelo banco, presidido então por Faria de Oliveira, não tinha sido alvo de avaliação da situação financeira de Isabel dos Santos. Segundo um relatório do Banco de Portugal, na análise de risco elaborada pela Caixa “não se encontrava disponível qualquer informação que permitisse avaliar a capacidade financeira da engenheira Isabel dos Santos”, avançou o CM.

Caixa Geral concedeu crédito de 125 milhões a Isabel dos Santos sem avaliar situação financeira

Caixa concedeu crédito sem avaliar a situação financeira da empresário. Crédito foi criticado pelo Banco de Portugal. Banco era liderado por Fernando Faria de Oliveira em 2009. Fonte próxima da empresária disse que o “crédito está em dia e grande parte já foi amortizado”.
Recomendadas

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

Manifesto X de Pedro Duarte quer índice de “Felicidade Interna Bruta” a medir desenvolvimento nacional

Medida conta na lista de 100 propostas apresentadas esta segunda-feira pelo social-democrata Pedro Duarte, crítico da liderança de Rui Rio, para a construção de uma sociedade “de bem-estar e felicidade”, mais justa, inclusiva e ecologicamente sustentável.

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.
Comentários