Marcelo não vê com maus olhos a retirada de condecorações a Joe Berardo

A decisão de retirar as duas condecorações está nas mãos do conselho das ordens nacionais. Mas se o conselho presidido por Manuela Ferreira Leite decidir retirar, o Presidente da República não se vai opor.

Cristina Bernardo

Marcelo Rebelo de Sousa não vê com maus olhos que sejam retiradas as condecorações atribuídas por anteriores presidentes da República ao empresário Joe Berardo, apurou o Jornal Económico.

A decisão de retirar as ordens ao empresário não cabe ao Presidente da República. Esse poder está nas mãos do conselho das ordens nacionais, que é presidido pela chanceler Manuela Ferreira Leite e que tem como vogais: Isabel Mota, Silva Peneda, Manuel Braga da Cruz, Bagão Félix, Elvira Fortunato, Maria Velho da Costa, Carlos Morais Beato.

Desta forma, se o conselho das ordens nacionais decidir retirar as duas condecorações a Joe Berardo, Marcelo Rebelo de Sousa não se vai opor. O Jornal Económico sabe que o conselho das ordens nacionais pode reunir-se em breve para decidir se retira as condecorações ao empresário.

O antigo administrador da Caixa Geral de Depósitos Armando Vara perdeu este ano a condecoração da Grã-Cruz Ordem do Infante, que lhe foi atribuída em 2005 por Jorge Sampaio. O antigo secretário de Estado de António Guterres perdeu a condecoração por ter sido condenado a cinco anos de prisão por tráfico de influência.

Joe Berardo foi condecorado duas vezes. Em 1985 o Presidente Ramalho Eanes atribuiu-lhe o grau de Comendador da Ordem Infante Dom Henrique. Em 2004, o Presidente Jorge Sampaioi atribuiu-lhe a Grã-Cruz da Ordem do Infante Dom Henrique.

Depois da audição polémica de Joe Berardo no Parlamento na passada semana, várias vozes vieram a público exigir a retirada de condecorações ao empresário.

José Miguel Júdice veio a público defender que Marcelo Rebelo de Sousa deve retirar a Ordem de Comendador a Joe Berardo. Caso o Presidente não atuasse, o advogado admitiu a possibilidade de devolver a sua própria condecoração, a Ordem do Infante Dom Henrique.

Também Nuno Melo do CDS defendeu que Joe Berardo devia perder o grau de comendador e comparou a situação com as atribuídas por diferentes presidentes ao antigo presidente executivo da PT Zeinal Bava, e a Armando Vara.

Berardo foi condecorado por Eanes e Sampaio. Empresário deve deixar de ser comendador? Há quem defenda que sim

 

Ler mais
Relacionadas

Berardo foi condecorado por Eanes e Sampaio. Empresário deve deixar de ser comendador? Há quem defenda que sim

Depois da polémica audição no Parlamento, Nuno Melo e José Miguel Júdice defendem que o empresário deve deixar de ser comendador. José Miguel Júdice admite devolver a sua condecoração se Marcelo Rebelo de Sosua não retirar a condecoração a Joe Berardo.

Tribunal obriga Berardo a assumir pessoalmente dívida à Caixa de 6,6 milhões

A Caixa espera desta forma recuperar uma pequena parte da dívida das entidades controladas por Joe Berardo, que ascende a 350 milhões de euros. Livranças foram subscritas em 2015 e 2016, para que a Fundação Berardo e a Metalgest pudessem pagar os juros em atraso. Berardo garante que não deve nada aos bancos a título pessoal, mas neste caso terá de responder pelas dívidas das entidades que controla.

“Desrespeito” e “escândalo”: Esquerda e direita unem-se para criticar Joe Berardo

A audição do empresário no Parlamento conseguiu juntar os vários partidos portugueses nas críticas a Joe Berardo.
Recomendadas

Costa pede aos portugueses para “não desaproveitarem” oportunidade de votar

O primeiro-ministro, António Costa, apelou hoje aos portugueses para “não desaproveitarem” a oportunidade de votar nestas eleições europeias e que “participem o mais possível”, considerando que é “o único momento” em que os cidadãos são todos iguais.

Assunção Cristas faz apelo à participação nas Europeias em “dia maravilhoso para votar”

Assunção Cristas admitiu que as europeias são “difíceis”, geralmente com elevada abstenção, mas que está um “dia maravilhoso para votar”.

Berardo: Bens pessoais de empresário estão na mira da justiça

Ações, títulos, depósitos e participações não bastam para liquidar dívida. Penhorar património pessoal de Berardo poderá ser a solução.
Comentários