Marcelo pede combate pela dignidade humana contra as intolerâncias

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, fez um discurso de apelo ao combate pelo respeito pela dignidade humana, que apontou como “uma linha vermelha que não pode ser riscada”, em tempos de intolerâncias e egoísmos.

No encerramento de um ciclo de conferências intitulado “Futuros Globais” que assinalou os 50 anos da Universidade Católica Portuguesa, nas instalações desta instituição, em Lisboa, o chefe de Estado considerou que se vive uma fase “muito ingrata” no plano internacional, com “um regresso às angústias de há cem anos”.

“Que fique claro que o respeito da dignidade da pessoa humana é uma linha vermelha que não pode ser riscada nem beliscada. Mas, atenção, a pessoa humana que valoramos é uma pessoa concreta, de carne e osso, não é uma cómoda abstração, álibi para a indiferença e para a inação”, afirmou.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, “as mais das vezes não basta defendê-la preservando a sua dignidade, é preciso combater por essa dignidade, porque a inércia nestes tempos e nos mais próximos ser-lhe-á adversa”.

Numa intervenção em que proclamou “neutral, nunca, porque ninguém é neutral”, o Presidente da República descreveu o atual contexto global como uma época de apelo “ao egocentrismo, à luta pela sobrevivência e a salvação a sós, ao imediato, ao superficial, ao imageticamente mais básico e fácil de apreender e de aceitar, à rejeição da abertura, da disponibilidade para o outro”.

Sem nunca falar de nenhuma situação em concreto, acrescentou: “A fase que vivemos e viveremos por mais uns apreciáveis anos – esperemos que não mais de uma década – é muito ingrata. Durante ela teremos de revigorar valores e princípios, manter posturas essenciais, reforçar solidariedades”.

Marcelo Rebelo de Sousa insistiu na necessidade de, perante “situações de medo, de insegurança de temor, de rejeição explícita e implícita da mudança”, se “afirmar, preservar e fortalecer um sentido personalista da vida, da pessoa e da comunidade”.

O Presidente sustentou que há que “saber como canalizar a mudança”, em vez de a negar.

“Queremos futuros globais, mas globais, mesmo, de paz e não de guerra, de multilateralismo e não de fechamento unilateral, de defesa dos direitos das pessoas”, enunciou, completando: “E não fórmulas-tampão, por natureza conjunturais e frágeis, concebidas à medida dos egoísmos e das intolerâncias da moda”.

Ler mais
Recomendadas

Respostas Rápidas: O que está em causa no parecer da PGR sobre a greve dos enfermeiros?

A PGR declarou ilícita a greve dos enfermeiros. Saiba quais as razões invocadas, o que está em causa e quais as reações dos sindicatos e da Ordem dos Enfermeiros.

Facção do CDS pede comissão de inquérito ao alegado favorecimento de Cristas no caso do Pavilhão Atlântico

A corrente de opinião interna do CDS considera que é “urgente” clarificar o papel de Assunção Cristas na venda do Pavilhão Atlântico ao consórcio do genro do antigo presidente da República Aníbal Cavaco Silva.

Cristas quer libertar país “das amarras do socialismo”, se possível já em 2019

O CDS, disse, quer “fazer parte de uma alternativa de centro direita”, com um ou mais partidos, dado que “o país precisa de se libertar das amarras do socialismo” e os últimos três anos e meio, com o Governo PS e o apoio da esquerda, foi “um parêntesis e um adiamento”, por se ter desaproveitado a “melhor conjuntura externa de que há memória”.
Comentários