Marcelo Rebelo de Sousa aceita exoneração de Azeredo Lopes

O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, apresentou a sua demissão ao primeiro-ministro, António Costa, esta sexta-feira, dia 12 de outubro. Marcelo Rebelo de Sousa aceitou a proposta do primeiro-ministro.

António Cotrim/Lusa

O Presidente da República aceitou a demissão de Azeredo Lopes por proposta do primeiro-ministro, esclareceu Marcelo Rebelo de Sousa em comunicado publicado na página da Presidência da República.

“O Presidente da República aceitou a proposta de exoneração e aguarda a proposta de nomeação do sucessor”, referiu Marcelo Rebelo de Sousa, adiantando que António Costa ainda propôs qualquer nome para substituto do ministro da Defesa.

O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, apresentou a sua demissão ao primeiro-ministro, António Costa, esta sexta-feira, dia 12 de outubro.

Azeredo Lopes tem estado debaixo de fogo desde o caso Tancos, mas António Costa manteve até agora a confiança no ministro, à semelhança do que fez com a antiga ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa quando a polémica se adensou.

Há quatro dias, António Costa considerou que o ministro é um “ativo importante” no Governo, acrescentando que a confiança em Azeredo Lopes está “inalterada” desde que o Governo assumiu funções em novembro de 2015.

Recomendadas

Tarifários de comunicações móveis para jovens com aumento de 62% em reclamações

Portal da Queixa verificou, em 2018, e até novembro, um aumento no número de reclamações dirigidas às operadoras de telecomunicações referentes aos tarifários jovens. O WTF da NOS registou maior número de queixas.

Governo admite recorrer a hospitais privados para realizar cirurgias adiadas pela greve dos enfermeiros

Marta Temido realçou a tentativa do Governo para que algumas destas cirurgias possam realizar-se nos hospitais onde decorre a paralisação, que já adiou cerca de 5 mil operações programadas.

APREN apresenta estudo sobre o sistema elétrico nacional com cenário até 2040

“As renováveis são competitivas quando comparadas com o custo marginal das energias fósseis e, mesmo com valor de CO2 baixo, irão ser a trajetória mais eficaz de desenvolvimento do sistema”, destaca o estudo da APREN.
Comentários