Marcelo Rebelo de Sousa desvaloriza “reparos” de Bruxelas sobre OE2019

O chefe de Estado, que falava à margem da comemoração dos 50 anos do Museu do Ar, na Base Aérea de Sintra, acrescentou que Bruxelas fez o que é costume todos os anos, que são “alguns reparos de natureza específica”, mas “em termos globais mostrou-se favorável ao Orçamento português”.

O Presidente da República considerou hoje, em Sintra, que a Comissão Europeia se mostrou em termos globais favorável à proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), e que fez apenas “alguns reparos” específicos.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, a Comissão Europeia “foi a primeira a aceitar a bondade do Orçamento português, ao contrário de outros orçamentos com défices previstos muito elevados, não é o caso de Portugal felizmente”.

O chefe de Estado, que falava à margem da comemoração dos 50 anos do Museu do Ar, na Base Aérea de Sintra, acrescentou que Bruxelas fez o que é costume todos os anos, que são “alguns reparos de natureza específica”, mas “em termos globais mostrou-se favorável ao Orçamento português”.

A Comissão Europeia considerou hoje que a proposta de OE2019 coloca um risco de incumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento, pedindo medidas se estas se revelarem necessárias.

O Presidente salientou esperar que a situação de outros países europeus “não afete a situação europeia, porque também se projeta em Portugal”.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) também reviu ligeiramente em baixa o crescimento da economia portuguesa em 2019, para 2,1%, inferior ao estimado pelo Governo (2,2%).

Por outro lado, para 2020, a organização está mais otimista do que o Governo ao prever que o PIB português cresça 1,9% (contra 1,7% estimados pelo executivo).

Para Marcelo Rebelo de Sousa, o que a OCDE disse “é mais ou menos o que a Comissão Europeia também dizia”, uma vez que “todas as organizações estão a ter algum medo da conjuntura internacional”, porque não se sabe como serão os próximos anos.

Perante a incerteza em torno do “efeito da guerra comercial entre os Estados Unidos da América e a China”, e “os efeitos colaterais no comércio mundial e na Europa”, na dúvida as organizações internacionais “têm previsões conservadoras”, frisou.

“Mas nessas previsões conservadoras, Portugal cresce mais do que a média europeia”, argumentou o Presidente, admitindo que “são previsões a esperar o cenário menos bom” quando Portugal deseja “que seja o cenário melhor e que haja bom senso no mundo”

Ler mais
Recomendadas

Presidente do PSD admite propor revisão constitucional

Rui Rio defendeu este sábado que “ninguém quer políticos na justiça”, mas rejeitou também “a gestão de processos judiciais em função de objetivos de natureza política”, admitindo propor uma revisão constitucional para reformar o setor.

José Sócrates nega ter mestrado na Sorbonne

O ex-primeiro ministro reagiu ao final da tarde deste sábado à manchete do semanário “Expresso”: “Julgo, portanto, difícil tirarem-me o que nunca tive”.

Rui Rio admite que 2019 não é altura propícia para reformas estruturais urgentes

O presidente do PSD admitiu este sábado que este ano, com diversas eleições, “não é a altura propícia” para o conjunto alargado de reformas estruturais urgentes, criticando a ausência de cultura do diálogo que impediu estes entendimentos.
Comentários