Marcelo reúne hoje com Rui Rio no Porto

Marcelo disse que não queria comentar a crise no PSD por não poder meter-se na vida interna dos partidos, mas acabou por, tomar a iniciativa de falar com o líder do PSD.

Rodrigo Antunes / Lusa

O líder do PSD e o Presidente da República reúnem-se, esta sexta-feira, num hotel no Porto, avança a TSF. O encontro terá sido solicitado pelo Presidente da República e acontece depois do desafio feito por Luís Montenegro a Rui Rio para que marque eleições diretas no PSD.

O Presidente da República tinha agenda oficial na cidade e apesar de ter dito quinta-feira à noite que não queria comentar a crise no PSD por não poder meter-se na vida interna dos partidos, acabou por, tomar a iniciativa de falar com o líder do PSD.

Rui Rio foi hoje desafiado por Luís Montenegro na sua liderança do PSD. Montenegro quer que o PSD passe por diretas, sendo que irá avançar para a corrida à liderança do partido.

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Marques Mendes garante que Paulo Rangel é o escolhido de Rui Rio para se candidatar às europeias

Para além dessa novidade, Marques Mendes comentou a mediática prisão de Armando Vara dizendo que “é apenas uma ponta do icebergue de uma rede muito poderosa que durante 20 anos, ou mais, existiu em Portugal”. O comentador aponta culpas à sua nomeação para a CGD e BCP, não apenas a Sócrates, mas a Vítor Constâncio, então Governador do Banco de Portugal.

Rui Rio diz que o Governo socialista engana permanentemente os portugueses

“O grande engano é quando nos vendem uma situação económica de quase milagre económico e depois todos descobrimos que não pode fazer isto e aquilo porque não têm meios”, disse Rui Rio, no encerramento do XVII Congresso do PSD/Madeira, no Funchal, em que Miguel Albuquerque foi reeleito presidente.

Santana Lopes quer mais do que seis ou sete deputados do Aliança e “coligação à direita” pós-eleitoral

Em entrevista ao “Diário de Notícias” e TSF, o líder do Aliança defende que “uma coligação à direita é a única forma de retirar a esquerda do poder”. Questionado sobre se eleger seis ou setes deputados seria um bom resultado para o novo partido, Santana Lopes assume que é “ambicioso” e quer “mais”. Objetivo essencial é garantir que “o centro-direita consiga ter os tais 115 + 1 deputados”.
Comentários