Marcelo sobre as relações familiares no Governo: “Família de Presidente não é Presidente”

“Tenho sobre essa matéria uma posição muito pessoal, ao longo da minha vida política e também agora no exercício da presidência, que é o entender que família de Presidente não é Presidente. E portanto nisso peco por excesso, no sentido de entender que deve haver uma visão, sobretudo num órgão unipessoal como é o Presidente, mas tem marcado a minha vida, que é de não confundir as duas realidades”, referiu. o Presidente da República.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje que “a família de Presidente não é Presidente”, quando instado pelos jornalistas a comentar as críticas que têm sido levantadas às relações familiares no seio do Governo.

“Tenho sobre essa matéria uma posição muito pessoal, ao longo da minha vida política e também agora no exercício da presidência, que é o entender que família de Presidente não é Presidente. E portanto nisso peco por excesso, no sentido de entender que deve haver uma visão, sobretudo num órgão unipessoal como é o Presidente, mas tem marcado a minha vida, que é de não confundir as duas realidades”, referiu.

Em relação ao atual Governo, Marcelo disse que se limitou a aceitar a designação feita pelo Presidente Cavaco Silva, “que foi a de nomear quatro membros do Governo com relações familiares, todos com assento no Conselho de Ministros”.

Marcelo disse ter aceitado essa solução “partindo do princípio de que o Presidente Cavaco Silva, ao nomear aqueles governantes, tinha ponderado a qualidade das carreiras e o mérito para o exercício das funções”.

“Depois disso, não nomeei nenhum outro membro com relações familiares para o exercício de funções no executivo e com assento no Conselho de Ministros”, salientou ainda o chefe de Estado.

O Presidente falava em Guimarães, à margem da entrega do prémio mundial de inovação em engenharia de pontes “BERD–FEUP Wibe”, atribuído a um grupo de autores da Universidade de Queensland, na Austrália.

O prémio foi atribuído a um trabalho de investigação e desenvolvimento com o objetivo de desenvolver um sistema de pontes inovador que permitirá uma construção sustentável e rápida.

O novo sistema consiste num tubo exterior de polímero reforçado com fibra, num tubo interior de aço e num preenchimento com uma camada de betão entre os dois tubos.

A ocasião sublinhou a importância do prémio e aproveitou para destacar a importância de “fazer pontes”.

“Fazer pontes em todo o sentido”, acrescentou.

A cerimónia decorreu no Paço dos Duques, a residência oficial do Presidente da República no norte de Portugal.

À chegada, Marcelo foi recebido por uma manifestação “amiga” de motoristas de transportes de passageiros, que se queixaram dos baixos salários.

“Feitas as contas ao que recebemos e às horas que trabalhamos, estamos a ganhar abaixo do salário mínimo”, disse o sindicalista Filipe Azevedo, sublinhando que, no mínimo, o salário deveria ser de 700 euros.

Os motoristas pediram a intervenção do “Marcelo amigo” e este prometeu que iria saber junto do Ministério do Trabalho o ponto da situação, acabando por ser brindado com uma salva de palmas.

Ler mais
Recomendadas

“Não existem poções mágicas para aproximar os cidadãos da política”

“Acreditamos, por isso, que estamos a fazer serviço público e que os deputados e deputadas muito apreciarão. Tornar o trabalho dos parlamentares acessível a todos e de uma forma mais acessível parece-nos recolher muito entusiasmo”, assume um dos investigadores do projeto.

PCP apresenta programa eleitoral com “emergência salarial” e justiça fiscal em destaque

Entre as medidas que constam no programa eleitoral da CDU, que vai ser esta terça-feira apresentado, estão o aumento do salário mínimo nacional para os 850 euros e a redução do IVA, bem como um reforço no investimento público e a rutura com a política de direita de PS, PSD e CDS.

Parlamento Europeu escolhe entre Ursula von der Leyen e a crise política

Voto secreto e difícil conciliação das diversas famílias políticas aumentam suspense quanto ao veredicto do Parlamento Europeu. Chumbo da ainda ministra da Defesa da Alemanha daria um mês para os Estados-membros encontrarem uma nova solução.
Comentários