Marcelo sobre os dados do INE: “Temos de crescer um bocadinho mais”

O Presidente da República considerou hoje que os dados do crescimento económico divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram “uma trajetória positiva”, mas que Portugal tem de “crescer um bocadinho mais” para reduzir a dívida.

Foto: Cristina Bernardo

“Eu diria que é uma trajetória positiva, que ainda não é suficiente para o grande objetivo de que falava ontem [segunda-feira] o ministro das Finanças, que é conseguirmos ir reduzindo claramente a nossa dívida pública. Temos de crescer um bocadinho mais”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

Segundo o chefe de Estado, que falava aos jornalistas, no final de uma visita à Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), em Lisboa, os dados do INE indicam que “a trajetória mantém-se”, mas dão “sinais que são mistos”.

“Relativamente ao trimestre anterior, há um sinal positivo, porque tinha-se crescido 0,3%, agora cresce-se 0,5%. Relativamente ao ano anterior, em que tinha havido um crescimento muito grande, como se lembram, na ponta final do ano, aí o crescimento continua a ser bom, 2,5%, mas queremos mais”, declarou.

O Presidente da República reforçou esta mensagem, acrescentando: “Queremos mais, eu quero mais. Vamos ver se é possível mais, porque depende também um bocadinho do crescimento da Europa e do crescimento à escala mundial”.

Relacionadas
INE: Portugal cresceu 2,5% no terceiro trimestre
Abrandamento da economia deveu-se a uma evolução menos favorável das trocas com o exterior, com subida mais acentuada das importações. Consumo acelera e investimento abranda.
Centeno: Crescimento económico no terceiro trimestre confirma meta de 2017
O Ministério das Finanças afirmou hoje que o crescimento económico no terceiro trimestre, divulgado pelo INE, confirma as projeções do Governo de uma subida de 2,6% do Produto Interno Bruto (PIB) no conjunto do ano.
Recomendadas
“Maior renda alguma vez criada em Portugal foi a extensão dos CAE”, realça ex-presidente da EDP
João Talone, que foi presidente da EDP entre 2003 e 2006, está esta tarde a ser ouvido da comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas
Irlanda cobra impostos à Apple que estão sob disputa jurídica
Embora tenha recorrido da decisão da União Europeia quanto à obrigação de cobrar esses impostos, o Governo da Irlanda já cobrou 13,1 mil milhões euros à Apple, mais 1,2 mil milhões em juros.
O que querem os empresários no OE2019? Revisão do IRS e IRC mas também estabilidade fiscal
Survey da consultora EY identifica estabilidade e simplificação do sistema fiscal como das principais preocupações das empresas. Alterações no regime do IRC e IRS são também identificadas como medidas que esperam ver no Orçamento do Estado.
Comentários