Marine Le Pen critica Bolsonaro: “Ele diz coisas extremamente desagradáveis”

A líder Frente Nacional gaulesa, Marine Le Pen, não tem a certeza que Bolsonaro possa ser indicado como um candidato da extrema-direita.

A líder francesa do partido mais à direita do espectro político gaulês, Marine Le Pen, disse não considerar que Jair Bolsonaro, candidato mais bem posicionado para se tornar o próximo presidente do Brasil, um político de direita.

Confrontada por um canal francês com as frases que o tornaram famoso – que preferia um filho morto a um filho homossexual ou que as mulheres merecem ganhar menos do que os homens, entre outras antológicas afirmações – Le Pen disse que “não vejo Bolsonaro como um candidato de extrema-direita. Ele diz coisas extremamente desagradáveis, que são intransponíveis em França. São culturas diferentes.”

Le Pen – cujo pai chegou a ter problemas com a justiça francesa por ter negado o holocausto judeu – foi questionada sobre quem preferia ver sair vitorioso da segunda volta das eleições no Brasil, mas Le Pen preferiu não dar uma resposta concreta.

Para a líder da Frente Nacional, os resultados da primeira volta das eleições brasileiras são uma reação à insegurança sentida no Brasil e ao facto de Bolsonaro ter alicerçado a sua campanha precisamente na luta contra a criminalidade e contra a corrupção.

Com certeza que Bolsonaro terá ficado defraudado com as declarações de Le Pen, dado que em diversas circunstâncias afirmou ter grande admiração pelos partidos populistas da ultradireita europeia que têm dado mostras de conseguirem bater as posições dos partidos alinhados ao centro do espectro político.

O ministro italiano da Interior e líder da extrema-direita da Liga, Matteo Salvini – um compagnon de route de Le Pen – manifestou publicamente, no passado domingo, um enorme regozijo com a vitória de Bolsonaro na primeira volta das presidenciais brasileiras

Ler mais
Relacionadas

Roger Waters vaiado por 40 mil pessoas em concerto no Brasil. Duas palavras bastaram

Durante um concerto do célebre músico inglês em São Paulo, Roger Waters revelou num ecrã gigante mensagens de oposição ao candidato brasileiro Jair Bolsonaro. Reação foi surpreendente.

Paulo Guedes, economista de Bolsonaro, investigado por suspeita de fraude

O Ministério Público Federal brasileiro anunciou hoje que está a investigar o economista Paulo Guedes, próximo de Jair Bolsonaro, sob suspeita de associação a executivos ligados ao PT e ao MDB para prática de negócios fraudulentos com fundos estatais.

Alegre e João Soares pedem a FHC que defenda democracia contra Bolsonaro

Os socialistas, próximos de Mário Soares que era amigo pessoal de Fernando Henrique Cardoso, vincam que “não há qualquer comparação entre o centrista democrata-cristão Freitas do Amaral e o fascista Jair Bolsonaro”, e salientam que “em momentos de escolhas decisivas não se pode deixar de tomar partido”.

Bolsonaro promete governar com “autoridade, mas sem autoritarismo”

O antigo capitão do exército brasileiro, de 63 anos, que venceu a primeira volta com uma percentagem de 46,93%, prometeu, ainda, na entrevista à rede brasileira de televisão “Globo”, “pacificar e unir o povo brasileiro sob a bandeira verde e amarela”.
Recomendadas

Mundial da Rússia, Incêndios de Monchique e Bruno de Carvalho lideram tendências do Google em Portugal

A Google revelou os resultados anuais em termos de pesquisa na perspetiva dos momentos que marcaram o ano de 2018 no nosso país e no mundo.

Respostas Rápidas: Mais de uma dezena de feridos e um suspeito a monte. O que aconteceu em Estrasburgo?

O novo balanço das autoridades francesas aponta para duas vítimas mortais e mais de uma dezena de feridos. Atacante terá fugido para Alemanha. O Governo francês elevou o nível de alerta no país para “emergência por atentado”.

CFO da Huawei paga 6,6 milhões de euros para sair em liberdade

Meng Wanzhou foi libertada após o pagamento da fiança por ordem do juiz canadiano William Ehrcke. A diretora financeira da Huawei é acusada pelas autoridades dos EUA de fraude por violar as sanções comerciais impostas pelos norte-americanos ao Irão.
Comentários