PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.

A aquisição do Finibanco Angola ao grupo Montepio já não vai avançar nos mesmos moldes do acordo assinado em 2015. Quem o diz é o CEO do BNI Angola, Mário Palhares, numa entrevista por escrito ao Jornal Económico na qual garante que o BNI e o Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução. No mercado corre o rumor de que está a ser preparada uma fusão entre o BNI e o banco angolano do Montepio, mas Mário Palhares não quis desvendar as soluções que estão a ser desenhadas para manter o negócio.

Sobre o BNI Europa revela que há um novo potencial comprador, mas não o identifica. Adianta também que não prevê fusões em Portugal com outros bancos de capital angolano. Já a propósito da possibilidade de o BNA intervencionar o ex-BESA, hoje Banco Económico e do impacto que isso pode ter no sistema bancário de Angola, responde ao JE com a uma pergunta: “A criação do Novo Banco, afetou a credibilidade do sistema financeiro português? Na minha opinião, não”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Angola anuncia realização de 17,2 milhões de euros em leilão de diamantes

As sessões de avaliação decorreram entre os dias 15 e 29 de novembro e as propostas aos “diamantes especiais de Catoca e Lulo”, feitas através de uma plataforma eletrónica ‘online’ criada para o efeito, foram apresentadas hoje.

Covid-19: Guiné-Bissau quer que UE aceite o seu certificado digital de vacinação

Os certificados digitais de vacinação da Guiné-Bissau são emitidos presencialmente para evitar falsificações e cumprem as regras da Organização Mundial de Saúde (OMS), incluem um código QR e estão em três línguas internacionais – português, inglês e francês.

Covid-19: África do Sul sente-se “castigada” por ter detetado variante Omicron

“Esta última vaga de proibições de viagens equivale a punir a África do Sul por ter sequenciado o genoma e pela capacidade de detetar novas variantes mais rapidamente. A excelência científica deve ser aplaudida, não punida”, disse o Governo sul-africano num comunicado, dois dias depois de ter anunciado a descoberta.
Comentários