Marisa Matias: “O BE quer ter mais poder de intervenção no futuro do país”

Marisa Matias acredita que só uma governação à esquerda pode dar resposta aos problemas sociais e laborais que abalam o país e não descarta alianças com quem estiver disponível para avançar com políticas de esquerda para o país.

A eurodeputada do Bloco de Esquerda (BE) Marisa Matias faz um balanço positivo dos três anos dos acordos à esquerda, que colocaram o Partido Socialista (PS) no poder, mas diz que chegou a hora do BE ser “força de Governo”. Marisa Matias acredita que só uma governação à esquerda pode dar resposta aos problemas sociais e laborais que abalam o país e não descarta alianças com quem estiver disponível para avançar com políticas de esquerda para o país.

“Queremos uma relação de forças diferente que permita avançar em áreas que até agora não avançaram, nomeadamente as questões laborais e a recuperação dos serviços públicos, particularmente no que diz respeito à educação e saúde”, afirma ao Jornal Económico, a eurodeputada. “Estes são os nossos eixos centrais que não foram totalmente cumpridos nesta legislatura”.

Marisa Matias diz que “houve um caminho que foi feito e que trouxe ganhos às pessoas, sobretudo na recuperação de rendimentos, aumento de pensões e salários, mas está longe de ter resolvido todos os problemas da sociedade portuguesa”. A bloquista diz ainda que “é urgente dar resposta à fragmentação do projeto europeu e reforçar a democracia, não só para garantir a nossa soberania no que toca às políticas públicas e económicas, mas também como garantia de bem-estar democrático”.

Na moção A, “Um Bloco mais forte para mudar o país”, da qual é uma das proponentes, Marisa Matias não descarta a possibilidade de fazer acordos à esquerda, após as eleições do próximo ano. A moção aponta, especialmente, para uma convergência à esquerda com o Partido Comunista (PCP). “Estaremos disponíveis para dialogarmos com quem estiver disponível para avançar com políticas de esquerda para o país. No caso do PCP, há uma margem de acordo grande, nomeadamente em questões como os direitos laborais, as políticas económicas e os direitos sociais”, explica a eurodeputada.

“Creio que as pessoas perceberam que não há contradição entre convergência e identidade. Os partidos não perderam a sua identidade, mas conseguiram convergir com aquilo que era essencial para acabar com o Governo de direita do PSD”, diz ainda Marisa Matias, referindo-se aos últimos três anos de Governo do PS, suportado pelos acordos à esquerda.

Nesta XI Convenção Nacional do BE, as três principais fações do partido estão unidas e apoiam uma só moção: a moção A. Marisa Matias explica estão união como sendo “uma nova fase do partido”. “Nós queremos disputar maior peso na relação de forças e ter mais poder de intervenção no futuro do país. Não havendo divergências [entre as três fações] não há razões para não estarmos juntos. Trata-se de uma missão política estratégica para o futuro do país”, sublinha.

Ler mais
Relacionadas

Catarina Martins propõe Marisa Matias como cabeça de lista às europeias

A coordenadora do BE, Catarina Martins, anunciou hoje, na XI Convenção Nacional, que vai propor a atual eurodeputada do partido, Marisa Matias, como cabeça de listas às eleições europeias do próximo ano.

BE reúne-se na XI Convenção Nacional com legislativas de 2019 em vista

Na moção A “Um Bloco mais forte para mudar o país”, que acolheu o maior número de votos na eleição prévia de delegados, os bloquistas afirmam que querem ser “força do Governo” e prometem fazer “tudo aquilo que o Partido Socialista (PS) não fez”.
Recomendadas

Filho de Donald Trump: Theresa May tem de “honrar a sua promessa” de avançar com o Brexit

Donald Trump Jr., filho mais velho do presidente dos Estados Unidos, refere ainda que os ‘interesses instalados’ estão a tentar ‘silenciar as vozes’ daqueles votaram no Brexit, e que elegeram o seu pai para a Casa Branca.

Parlamento discute fim da fixação de preços no setor do táxi

Os sociais-democratas consideram que esta prática restringe a concorrência e impede a “normal resposta da oferta a diferentes condições da procura, em detrimento da eficiência económica”.

Resolução do BES está a ser feita às prestações, diz presidente do Fundo de Resolução

“O que aconteceu em Portugal, é que o Fundo de Resolução foi criado em 2012, e em 2014, tinha apenas 337 milhões de euros”, salientou Máximo dos Santos. O Fundo de Resolução já pagou 466 milhões de euros em juros e comissões ao Estado, com as medidas de resolução, explicou Máximo dos Santos.
Comentários