Marques Mendes antecipa mini remodelação governamental. Pedro Nuno Santos sobe a ministro

O comentador disse hoje na SIC que está para breve uma remodelação no governo. Pedro Nuno Santos e Nelson de Souza sobem a ministro.

No seu habitual comentário da SIC, o comentador Luís Marques Mendes anunciou uma mini-remodelação do Governo a propósito da escolha do atual Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, para encabeçar a lista do PS ao Parlamento Europeu.

Marques Mendes avançou ainda que este pode não ser o único nome em cima da mesa: “Maria Manuela Leitão Marques [que tem a pasta da Presidência e da Modernização Administrativa] também é uma possibilidade”.

Na lista dos deputados para as europeias, Francisco Assis deverá ficar fora: “É pena porque tem pensamento europeu estruturado”, explicou o comentador.

Segundo Marques Mendes, com a saída de Pedro Marques, o Ministério vai ser dividido, o que implica uma mudança orgânica do Executivo. A parte das Infraestruturas ficará com Pedro Nuno Santos [atual Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares], “que vai receber a área da mobilidade urbana. Vai ser um super ministro. É uma promoção enorme para Pedro Nuno Santos, que fica com um poder gigantesco no país”.

Já Nelson de Souza, secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, ficará com o Planeamento. “Não sendo um político, é uma pessoa muito próxima do Primeiro Ministro (uma vez que já trabalhou com ele na Câmara Municipal de Lisboa) e que ficará, desde logo, com duas áreas essenciais, os fundos atuais da UE e os fundos futuros”, disse Marques Mendes.

Assim, abrindo-se uma vaga na secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares Mariana Vieira da Silva [secretária de Estado Adjunta do Primeiro-Ministro] pode vir a ser o nome escolhido. “Outra secretária de Estado em ascensão”, acrescentou.

Finalmente, adiantou que o Governo deverá fazer a proposta ao Presidente da República no dia 17 (um dia a seguir à Convenção do PS) e a posse dos novos governantes é provável que seja no dia 18.

Entrevista do primeiro-ministro à SIC

Marques Mendes destacou três ideias essenciais da entrevista de António Costa. A primeira, é que Costa “passou a maior parte do tempo a dar explicações sobre questões laborais e sindicais”. Isto, “é a prova que quem verdadeiramente faz oposição ao Governo são os sindicatos”.

“O primeiro-ministro passou metade do tempo a responder aos sindicatos. Praticamente não falou do PSD e ao CDS dedicou um a dois minutos. É também por isso que Costa provavelmente vai ganhar. Os sindicatos desgastam mas não disputam eleições”, disse o comentador.

Depois, “ficou claro que o Governo fez uma má gestão deste ciclo político de 4 anos”, considerou. “Esteve em alta em 2018, que não era ano de eleições; está em perda em 2019, que é um ano eleitoral. Como é que um primeiro-ministro com tanta habilidade política fez uma tão má gestão do ciclo político. É por isso que António Costa provavelmente não vai ter maioria absoluta”, referiu.

Em terceiro lugar Marques Mendes destacou a resposta de António Costa sobre as presidenciais.  “Pela primeira vez deu um sinal de que o PS pode não apresentar nenhum candidato presidencial contra Marcelo Rebelo de Sousa. Ao sugerir que a popularidade do Presidente da República lhe dá vitória com facilidade. Se for assim, o PS demonstra inteligência. Porque evita o risco de uma derrota humilhante”, conclui.

Sobre o novo partido Aliança, Marques Mendes, a propósito do congresso deste fim de semana, disse que “neste Congresso de fundação do partido, os dois grandes protagonistas foram, naturalmente, Paulo Sande, é candidato do partido às europeias, e Pedro Santana Lopes”.

O objectivo de Pedro Santana Lopes é claro, para o comentador, “quer afirmar-se e mostrar que é ele e não Rui Rio que lidera a oposição a António Costa. Por isso, endureceu o discurso em relação ao Governo. Radicalizou a mensagem (caso da saúde). É esse o seu caminho”.

Marques Mendes salientou que o PSD confronta-se com o facto de ser Assunção Cristas que lidera a oposição no Parlamento e fora do Parlamento, Pedro Santana Lopes vai tentar fazer o mesmo.

A nível internacional destacou a possibilidade de o Governo espanhol sair já na próxima semana.

Outros temas

Questionado sobre a requisição civil dos enfermeiros, Marques Mendes diz que “a tensão com o tempo vai começar a diminuir”. “Nos últimos tempos as coisas mudaram, mas os enfermeiros cometeram três erros: abusaram da greve, conseguiram o essencial e deviam ter parado aí. Exageram e perderam o apoio da opinião pública”.

“O Sindicato e Ordem deviam ser os primeiros a deixar tudo claro e transparente. Requisição civil é juridicamente arriscada mas politicamente correta”, acrescentou

Em relação à visita de Marcelo Rebelo de Sousa ao bairro da Jamaica, o ex-ministro afirmou que o Presidente da República “teve um dos atos mais marcantes da sua presidência. Foi ao bairro para promover a inclusão e o multiculturalismo. Foi puxar pelos valores pelo Estado de Direito. Acho que as críticas dos sindicalistas foram infelizes”.

Ler mais
Recomendadas

Criador de consensos juntou têxteis antes de presidir à AEP

Paulo Nunes de Almeida morreu ontem, aos 60 anos, deixando para trás um percurso ligado ao empreendedorismo e à internacionalização.

PremiumAssembleia da República: maioria absoluta masculina, acima dos 50 e recém-chegada

A XIII Legislatura que chegou na sexta-feira à sua última reunião plenária não fica só marcada pela “geringonça”. Ao longo dos últimos quatro anos os portugueses foram representados por um Parlamento tão envelhecido quanto inexperiente no desempenho de funções. Aqui está a radiografia dos nossos deputados.

Deputado crítico da “especulação” despeja inquilino em edifício histórico

Arrendatários de espaço cultural dizem que empresa do socialista Hugo Pires quer alojamento local num prédio no centro de Braga, classificado como imóvel de interesse público e património da cidade.
Comentários