Marques Mendes: “Se Bruno de Carvalho estiver envolvido, o Sporting arrisca a não receber nada pelas rescisões dos jogadores”

“Eu diria que essa [detenção] é uma má notícia para o Sporting. Por causa das rescisões de contratos daqueles jogadores que ainda não chegaram a acordo com o Sporting: Gelson Martins, Podence e Rafael Leão. Pois legítima os despedimentos por justa causa e o clube de Alvalade não recebe um único euro”. Sobre o caso Silvano disse que “o Parlamento precisa de uma Comissão de Ética”.

Luís Marques Mendes começou o seu tradicional comentário da SIC por falar da notícia do dia: O ex-presidente do Sporting Bruno de Carvalho e Mustafá, um dos líderes da claque Juventude Leonina, foram detidos pela GNR no âmbito da investigação da invasão à academia do clube, em Alcochete.

O comentador disse este domingo na SIC que a “confirmar-se que Bruno de Carvalho está incriminado no ataque a Alcochete, eu diria que essa é uma má notícia para o Sporting. Porquê? Por causa das rescisões de contratos daqueles jogadores que ainda não chegaram a acordo com o Sporting, Gelson Martins, Podence e Rafael Leão. É que se Bruno de Carvalho estiver envolvido, pode legitimar os despedimentos por justa causa e o clube de Alvalade não recebe um único euro”.

Marques Mendes trouxe para o comentário o índice de bem-estar divulgado pelo INE esta semana.

O bem-estar das famílias portuguesas tem vindo sempre a melhorar (131,4 em 2017). O que o país está melhor é o da Educação, Conhecimento e Competências (215,2 em 2017).

Aquele índice em que Portugal está pior é, sem surpresas, o índice do trabalho e remuneração. O melhor ano foi 2004, com índice 100 (em 2017 o índice está em 85,2 e atingiu o mínimo em 2013: 71,1). “Mesmo em 2017 estamos longe do índice de 2004”, disse o comentador.

O sentimento de segurança é “também um dado positivo”, com o índice numa trajetória ascendente e a atingir o valor 144,6 em 2017, o que revela baixa criminalidade e confiança nas polícias.

Previsões de crescimento económico de Bruxelas. “A Comissão Europeia diz no próximo ano que vamos crescer menos do que aquilo que diz o Governo”, realça Marques Mendes. A Comissão diz que o crescimento do PIB vai ser de 1,8% (e o Governo diz 2,2%).  O comentador antevê que o crescimento económico em 2019 fique mais próximo das previsões de Bruxelas. “Porque a economia europeia está a arrefecer”.

Por causa disto, a Comissão estima ainda que o défice português em 2019 seja o triplo do que prevê o Governo, ou seja que se fixe em 0,6%. “Aí acho que a Comissão Europeia não vai acertar porque Mário Centeno tem uma arma secreta: Cativações. Ou seja, despesa que está lá contabilizada e que é cativada e por isso não é feita”.

“Menos crescimento e mais cativações”, é o vaticínio de Marques Mendes. Com isso vamos ter menos dinheiro para o investimento público e menos dinheiro para os serviços públicos, adianta.

“Mário Centeno quer ficar na história como o Senhor Défice Zero”, referiu.

Mudanças na Banca

“Há sinais muito positivos na banca”, salientou.

O comentador elogiou o BCP por ter apresentado um aumento dos lucros em 93,1% para 257,5 milhões nos primeiros nove meses. “Vai distribuir dividendos no próximo ano e comprou um banco na Polónia na semana passada”, recordou Marques Mendes.

“É um sinal de que as coisas estão a mudar na banca”, disse o comentador que elogiou o CEO Miguel Maya.

Na CGD, “também há boas notícias, pois começou a dar lucros e vai distribuir dividendos ao Estado, ao erário público, no próximo ano”.

Finalmente os testes de stress. O bancos portugueses deixaram de estar mal cotados, “o stress passou para outros países”.

Caso José Silvano

A deputada Emília Cerqueira diz que usou a palavra-passe para aceder a documentos e que marcou a presença sem querer. “Não acredito nestas explicações, porque a deputada só veio a público dar esta explicação ao fim de uma semana da notícia ter saído no Expresso. Depois do jornal ter descoberto que tinha sido Emília Cerqueira”, disse Marques Mendes.

Fica a sensação que ambos os deputados “estão a contar uma história da Carochinha”.

Se é prática corrente no Parlamento, partilhar passwords, Marques Mendes que já foi deputado não quis comentar. “Acho que um faltou o outro fez um jeitinho, acho que este não é, nem de perto, nem de longe o único caso, nem sequer o único partido, o problema é que não deixa de ser grave”, disse.

O comentador defende que ambos deviam vir a público assumir o erro e pedir desculpa. “A humildade não é um gesto de inferioridade”.

José Silvano já conseguiu não sair de secretário-geral, e Emília Cerqueira já conseguiu garantir o lugar de deputada para daqui a um ano.

A instituição sai mal na fotografia. O Parlamento precisa de uma Comissão de Ética.

Marques Mendes comentou ainda a liderança do PSD, deixando críticas Rui Rio, e a Convenção Nacional do Bloco de Esquerda, dizendo que “o partido deixou de ser partido de protesto, para um partido de poder”. “Foi um comício bem orientado anti-PS”, disse ainda. O Bloco de Esquerda quer ir para o Governo. Mas o António Costa já disse “dá para serem amigos, não dá para casar”.

“António Costa não quer alienar o centro e por isso nunca fará uma aliança com o Bloco de Esquerda”, adiantou.

Sobre as corridas de toiros, Marques Mendes defende que não se baixe o IVA, mas é contra que se proíba a atividade.

 

(atualizada)

Ler mais
Recomendadas

Ministros europeus dos Negócios Estrangeiros reúnem-se para discutir alterações climáticas

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE juntam-se hoje para debater a visão estratégica a longo prazo da Comissão para uma Europa neutra em termos de clima e apelam para uma acção urgente e decisiva para reforçar a resposta global face às alterações climáticas.

Costa: remodelação impede “confusão entre atividade governativa e eleições”

O primeiro-ministro garantiu, na cerimónia de tomada de posse da nova equipa, que a estratégia e o programa de Governo não se alteram e que esta remodelação se trata apenas de um “rejuvenescimento na continuidade”.

Europeias: quem são e o que defendem os cabeças de lista dos principais partidos

O Partido Socialista (PS) veio este sábado confirmar Pedro Marques como cabeça de lista às eleições europeias. Ficam assim fechados os nomes que vão liderar as listas dos cinco principais partidos, a nível nacional. Saiba quem são e o que defendem.
Comentários