Marques Mendes: “Se Bruno de Carvalho estiver envolvido, o Sporting arrisca a não receber nada pelas rescisões dos jogadores”

“Eu diria que essa [detenção] é uma má notícia para o Sporting. Por causa das rescisões de contratos daqueles jogadores que ainda não chegaram a acordo com o Sporting: Gelson Martins, Podence e Rafael Leão. Pois legítima os despedimentos por justa causa e o clube de Alvalade não recebe um único euro”. Sobre o caso Silvano disse que “o Parlamento precisa de uma Comissão de Ética”.

Luís Marques Mendes começou o seu tradicional comentário da SIC por falar da notícia do dia: O ex-presidente do Sporting Bruno de Carvalho e Mustafá, um dos líderes da claque Juventude Leonina, foram detidos pela GNR no âmbito da investigação da invasão à academia do clube, em Alcochete.

O comentador disse este domingo na SIC que a “confirmar-se que Bruno de Carvalho está incriminado no ataque a Alcochete, eu diria que essa é uma má notícia para o Sporting. Porquê? Por causa das rescisões de contratos daqueles jogadores que ainda não chegaram a acordo com o Sporting, Gelson Martins, Podence e Rafael Leão. É que se Bruno de Carvalho estiver envolvido, pode legitimar os despedimentos por justa causa e o clube de Alvalade não recebe um único euro”.

Marques Mendes trouxe para o comentário o índice de bem-estar divulgado pelo INE esta semana.

O bem-estar das famílias portuguesas tem vindo sempre a melhorar (131,4 em 2017). O que o país está melhor é o da Educação, Conhecimento e Competências (215,2 em 2017).

Aquele índice em que Portugal está pior é, sem surpresas, o índice do trabalho e remuneração. O melhor ano foi 2004, com índice 100 (em 2017 o índice está em 85,2 e atingiu o mínimo em 2013: 71,1). “Mesmo em 2017 estamos longe do índice de 2004”, disse o comentador.

O sentimento de segurança é “também um dado positivo”, com o índice numa trajetória ascendente e a atingir o valor 144,6 em 2017, o que revela baixa criminalidade e confiança nas polícias.

Previsões de crescimento económico de Bruxelas. “A Comissão Europeia diz no próximo ano que vamos crescer menos do que aquilo que diz o Governo”, realça Marques Mendes. A Comissão diz que o crescimento do PIB vai ser de 1,8% (e o Governo diz 2,2%).  O comentador antevê que o crescimento económico em 2019 fique mais próximo das previsões de Bruxelas. “Porque a economia europeia está a arrefecer”.

Por causa disto, a Comissão estima ainda que o défice português em 2019 seja o triplo do que prevê o Governo, ou seja que se fixe em 0,6%. “Aí acho que a Comissão Europeia não vai acertar porque Mário Centeno tem uma arma secreta: Cativações. Ou seja, despesa que está lá contabilizada e que é cativada e por isso não é feita”.

“Menos crescimento e mais cativações”, é o vaticínio de Marques Mendes. Com isso vamos ter menos dinheiro para o investimento público e menos dinheiro para os serviços públicos, adianta.

“Mário Centeno quer ficar na história como o Senhor Défice Zero”, referiu.

Mudanças na Banca

“Há sinais muito positivos na banca”, salientou.

O comentador elogiou o BCP por ter apresentado um aumento dos lucros em 93,1% para 257,5 milhões nos primeiros nove meses. “Vai distribuir dividendos no próximo ano e comprou um banco na Polónia na semana passada”, recordou Marques Mendes.

“É um sinal de que as coisas estão a mudar na banca”, disse o comentador que elogiou o CEO Miguel Maya.

Na CGD, “também há boas notícias, pois começou a dar lucros e vai distribuir dividendos ao Estado, ao erário público, no próximo ano”.

Finalmente os testes de stress. O bancos portugueses deixaram de estar mal cotados, “o stress passou para outros países”.

Caso José Silvano

A deputada Emília Cerqueira diz que usou a palavra-passe para aceder a documentos e que marcou a presença sem querer. “Não acredito nestas explicações, porque a deputada só veio a público dar esta explicação ao fim de uma semana da notícia ter saído no Expresso. Depois do jornal ter descoberto que tinha sido Emília Cerqueira”, disse Marques Mendes.

Fica a sensação que ambos os deputados “estão a contar uma história da Carochinha”.

Se é prática corrente no Parlamento, partilhar passwords, Marques Mendes que já foi deputado não quis comentar. “Acho que um faltou o outro fez um jeitinho, acho que este não é, nem de perto, nem de longe o único caso, nem sequer o único partido, o problema é que não deixa de ser grave”, disse.

O comentador defende que ambos deviam vir a público assumir o erro e pedir desculpa. “A humildade não é um gesto de inferioridade”.

José Silvano já conseguiu não sair de secretário-geral, e Emília Cerqueira já conseguiu garantir o lugar de deputada para daqui a um ano.

A instituição sai mal na fotografia. O Parlamento precisa de uma Comissão de Ética.

Marques Mendes comentou ainda a liderança do PSD, deixando críticas Rui Rio, e a Convenção Nacional do Bloco de Esquerda, dizendo que “o partido deixou de ser partido de protesto, para um partido de poder”. “Foi um comício bem orientado anti-PS”, disse ainda. O Bloco de Esquerda quer ir para o Governo. Mas o António Costa já disse “dá para serem amigos, não dá para casar”.

“António Costa não quer alienar o centro e por isso nunca fará uma aliança com o Bloco de Esquerda”, adiantou.

Sobre as corridas de toiros, Marques Mendes defende que não se baixe o IVA, mas é contra que se proíba a atividade.

 

(atualizada)

Ler mais
Recomendadas

PR defende Lei de Bases da Saúde flexível e espera o maior acordo possível entre partidos

O chefe de Estado disse ainda esperar que haja “o maior acordo possível” entre os partidos na votação de uma Lei de Bases da Saúde “flexível”.

Marcelo afirma que “autonomia do Ministério Público é indiscutível”

O Presidente da República reagia assim à greve convocada hoje, pelo Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, contra a intenção do PS e PSD de alteração na estrutura do Conselho Superior do Ministério Público, compondo-o maioritariamente por não magistrados.

PSD quer ouvir ministro do Ensino Superior sobre dificuldades financeiras nas universidades e politécnicos

Os sociais-democratas defendem que as universidades e politécnicos são fundamentais para o desenvolvimento territorial e uma asfixia a estas instituições significa penalizar a região.
Comentários