MBA: Mais do que um curso, é uma aposta no crescimento profissional

O The Lisbon MBA Executivo é o único programa de gestão em Portugal a figurar no ranking do Financial Times. Com as tendências de mercado em constante mudança, a Católica-Lisbon e a Nova SBE querem munir os estudantes das ferramentas essenciais para uma gestão de sucesso. Um investimento com resultados comprovados e reconhecimento global.

A formação em Portugal tem evoluído muito, nos últimos anos, graças ao investimento das escolas portuguesas e a uma série de parcerias internacionais. Havendo mais e boas opções, é normal que aumente também a indecisão quanto à formação específica que se deve fazer.

Convém, então, perceber em que casos e porquê se deve fazer um MBA. As grandes razões que, tipicamente, levam alguém a fazer um MBA são vontade de mudar de área de atividade, de ascender na carreira ou de lançar o próprio negócio.

O MBA não se define apenas como um master, mas, sim, como um processo de transformação tanto a nível profissional como pessoal. Não só se ganha no desenvolvimento de conhecimentos técnicos, em networking, e na aquisição de ferramentas de gestão e liderança, mas num conjunto de soft skills que visam o desenvolvimento de líderes. Os alunos de MBA desenvolvem uma capacidade de trabalho e resiliência, fundamentais para sobreviver nos dias de hoje. Criatividade, capacidade de liderança, comunicação em situações de conflito e auto-conhecimento são algumas das competências bem trabalhadas nos MBA que têm um efeito imediato no desempenho profissional, com retorno garantido para o negócio.

Por outro lado, é preciso considerar as oportunidades que se geram com um MBA, que têm a ver também com o reconhecimento e prestígio da instituição. Há ainda a considerar o envolvimento com o mundo empresarial, bem como a experiência internacional. De facto, para garantir uma verdadeira aproximação entre o mundo empresarial e académico, promovemos projetos de consultoria, nos quais os alunos do e Lisbon MBA Católica|Nova trabalham em projectos reais das empresas. Também promovemos estágios em empresas nacionais e internacionais e convidamos regularmente CEOs para reuniões personalizadas ou eventos de networking.

Vale, então, a pena para um gestor ter um MBA? O certo é que 86% das empresas mundiais parecem achar que sim, já que segundo um inquérito da GMAC, esta foi a percentagem de empresas que planeava contratar um recém-graduado de MBA no ano de 2017. Quanto ao retorno para o aluno, apenas como referência, segundo o Financial Times, os alunos do e Lisbon MBA International full-time aumentaram o seu salário, em média, 75% 3 anos após terem terminado MBA,

E que fatores devem ser considerados para escolher o MBA? Para além do prestígio da instituição, deve-se olhar para os alumni, ver em que áreas estão e que ligações se podem estabelecer. Algo também muito importante é o tamanho das turmas: uma turma mais pequena de alunos permite um acompanhamento personalizado de cada pessoa.

De ressalvar, no entanto, que um MBA é uma ferramenta e não um fim em si mesmo. Quanto mais se apostar no MBA, mais se retira do programa e maior será o retorno do investimento.

Anabela Possidónio

Diretora Executiva do The Lisbon MBA

 

Ler mais
Recomendadas

Morais Leitão e Uría Menéndez assessoram venda das mini centrais da EDP

O escritório de Nuno Galvão Teles apoiou o vendedor (EDP) enquanto a firma liderada por Bernardo Diniz de Ayala e Antonio Villacampa esteve do lado do comprador (Aquila Capital).

PremiumCNPD já aplicou as primeiras multas no âmbito do RGPD

João Leitão Figueiredo, associado da CMS Rui Pena & Arnaut, diz que a “multa da CNPD ao hospital do Barreiro foi um alerta para as empresas públicas”.

Premium“Arbitragem continua a ser o meio preferido de resolução de litígios internacionais”

O líder da equipa de arbitragem da PLMJ afirma que há uma “crescente autonomização” do direito de arbitragem e que a sociedade tem feito “um forte investimento” nesta área.
Comentários