Mercado petrolífero coloca EUA no centro da incerteza

Sanções norte-americanas ao Irão, crise na Venezuela e acordo da OPEP impulsionam o valor do petróleo, mas excesso de oferta persiste.

Há quatro anos que o barril de Brent não valia 80 dólares. Voltou a tocar este preço esta quinta-feira, acentuando um movimento de subida que já acumula uma valorização de 20% este ano e que os analistas concordam ser sustentado. A ameaça de sanções dos Estados Unidos ao Irão e a crise na Venezuela, a par do acordo de cortes na produção da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) sustentaram o aumento. No entanto, o equilíbrio do mercado ainda não é garantido.

“O atual momento do mercado de petróleo espelha um aumento do prémio de risco via reinicio das sanções norte-americanas ao Irão, quebra do volume de produção na Venezuela e os efeitos do corte de produção em 1,8 milhões de barris por dia decidido pela OPEP e Rússia (aprovado no inicio de 2017 e que se estenderá, pelo menos, até final de 2018)”, explicou Carlos Jesus, diretor-adjunto do CaixaBI.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Petróleo chegou aos 80 dólares pela primeira vez desde 2014

O petróleo do mar do Norte, de referência na Europa, alcançou os 80 dólares no ICE de Londres cerca das 09:58 (10:58 em Lisboa), mais 0,98% do que no encerramento da sessão anterior, se bem que posteriormente tenha moderado a subida e tenha caído para 79,73 dólares cerca das 10:45 (11:45 em Lisboa).

Wall Street fecha em baixa arrastada por taxas de juro e incerteza geopolítica

“Este recuo não está ligado a uma razão em particular, mas antes a uma incerteza generalizada sobre o comércio mundial e as taxas de juro”, comentou Karl Haeling, da LBBW.
Recomendadas

OE2017: Carga fiscal atinge 34,4% do PIB no ano passado

Segundo dados atualizados do INE, a carga fiscal, que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, subiu de 34,1% em 2016 para 34,4% em 2017, igualando assim o valor registado apenas em 2015, último ano do Governo liderado por Pedro Passos Coelho.

Energias renováveis: Portugueses entre os que mais consomem energia ‘limpa’ na União Europeia

Portugal conquistou a medalha de bronze no pódio, sendo o terceiro país na União Europeia que maior percentagem das suas necessidades energéticas são satisfeitas com energias renováveis.

“Isenção, imparcialidade e rigor”: o que espera Assunção Cristas da nova PGR

Cristas lembrou que desde 2010 que o CDS defende que “deve haver um maior escrutínio nestas escolhas, nomeadamente, através de audições públicas a realizar no parlamento”.
Comentários