Mercados norte-americanos corrigem, à espera da Fed

Wall Street abre a sessão no vermelho no último dia da reunião da Reserva Federal norte-americana. Expectativas são que o banco central mantenha as taxas de juro, apesar da turbulência de outubro nos mercados financeiros e da pressão política.

Reuters

Os principais índices norte-americanos abriram a sessão desta quinta-feira a negociar no vermelho, com o foco dos investidores centrado no último dia da reunião da Reserva Federal norte-americana.

O industrial Dow Jones 30 recua 0,16% para 26.138,14 pontos, o financeiro S&P 500 cai 0,26% para 2.807,62 pontos e o tecnológico Nasdaq a tombar 0,47% para 7.534,94 pontos.

Os investidores norte-americanos recuam assim depois de Wall Street ter reagido positivamente às eleições intercalares, nas quais os democratas recuperaram a Câmara dos Deputados e os republicanos mantiveram o controlo do Senado, tendo o Nasdaq 100 disparado mais de 3%.

Os mercados norte-americanos antecipam uma continuação da postura atual e manutenção das taxas de juro na reunião do banco central, que deverá manter a posição de endurecimento da política monetária, apesar da turbulência de outubro nos mercados financeiros e da pressão política.

“Para já [os investidores] vão digerindo a desilusão nas projeções da Qualcomm (tomba quase 8%), o fraco arranque de 4ºtrimestre da Wynn Resorts em Macau (perde 14%), os números da Prudential Financial e um corte de preço-alvo da Nvidia (recua mais de 1%). Pela positiva de realçar a LBrands (valoriza mais de 6%) perante o bom desempenho em outubro”, explica a nota de trader do Millenium BCP.

Após aumentar a taxa de juro de referência (federal funds rate) na última reunião, em setembro, o consenso entre os analistas aponta que a Fed mantenha o intervalo entre 2% e 2,25%. Da mesma forma, o banco central deverá reiterar o objetivo de continuar a endurecer a política monetária nos próximos trimestres, apoiado no dinamismo da atividade económica evidenciada.

No mercado petrolífero, o brent cai 0,75% para 71,53 dólares por barril e o petróleo WTI cai 0,86% para 61,14 dólares por barril.

Já no mercado petrolífero, o euro sobe 0,12% para 1,1441 dólares, o dólar aumenta 0,11% para 113,65 iénes e a libra recua 0,20% para 1,3101 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Contenção nos mercados, com olhos no ‘Brexit’ e nos EUA, pedem analistas

Especialistas consideram que 2019 será um ano melhor que 2018, mas é preciso cautela porque um ‘hard Brexit’ pode agitar os mercados e ter consequências que podem assemelhar-se às da falência do Lehman Brothers em 2008.

“O BCE não vai ter condições para subir taxas de juro em 2019”

A inversão do ciclo nos mercados ainda não chegou, mas está a caminho, refere o analista. No cenário mais pessimista é até mais provável que o BCEreinicie o programa de compras que aumentar taxas.

Wall Street encerra em alta com China a poder aumentar importações americanas no valor de 1 trilião de dólares

A China poderá aumentar as importações de produtos norte-americanos que, no total, valem mais de 1 bilião de dólares, o que reduziria o déficit comercial que os EUA têm no comércio com os chineses.
Comentários