Merkel considera que “não há desculpa” para a violência contra estrangeiros

No seu discurso no Parlamento durante o debate sobre o Orçamento para 2019, Angela Merkel disse compreender a indignação dos cidadãos face aos atos violentos e assegurou que a justiça “vai recair sobre os culpados, independentemente da sua nacionalidade”.

REUTERS/Hannibal Hanschke

A chanceler alemã Angela Merkel afirmou hoje que “não há desculpa” para o ódio, a violência contra estrangeiros e o uso de ‘slogans’ nazis, na sequência dos protestos de extrema-direita e episódios violentos contra refugiados.

No seu discurso no Parlamento durante o debate sobre o Orçamento para 2019, Angela Merkel disse compreender a indignação dos cidadãos face aos atos violentos e assegurou que a justiça “vai recair sobre os culpados, independentemente da sua nacionalidade”.

Merkel referia-se à morte de dois alemães em dois incidentes separados nas últimas três semanas, tendo sido detidos quatro requerentes de asilo, e aos protestos de direita que polarizaram a sociedade alemã.

A morte por esfaqueamento de um alemão, a 26 de agosto, e a detenção pela polícia de dois suspeitos do crime, um iraquiano e um sírio, grupos de extrema-direita lançou uma “caça aos estrangeiros” nas ruas de Chemnitz, antiga cidade da antiga República Democrática da Alemanha (ex-RDA).

Os acontecimentos de Chemnitz estão a marcar a atualidade política que enfrenta um intenso debate sobre a entrada, desde 2015, de um milhão de refugiados no país.

Recomendadas

Indicadores de confiança IFO na Alemanha agravam em queda

O IFO diz que a economia alemã caminha para o marasmo.

Brexit sem acordo é mais provável com Boris Johnson em Downing Street, alertam analistas

Analistas acreditam que Jeremy Hunt, ministro dos Negócios Estrangeiros e que é a favor de um Brexit com acordo, tem poucas hipóteses de vencer Boris Johnson nas eleições internas do Partido Conservador para a substituição de Theresa May.

Fed “fez asneira” ao manter as taxas de juro inalteradas, acusa Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou a Reserva Federal, esta segunda-feira, por não cortar as taxas de juros, mantendo a pressão sobre o banco central para mudar a sua política monetária.
Comentários