Merkel considera que “não há desculpa” para a violência contra estrangeiros

No seu discurso no Parlamento durante o debate sobre o Orçamento para 2019, Angela Merkel disse compreender a indignação dos cidadãos face aos atos violentos e assegurou que a justiça “vai recair sobre os culpados, independentemente da sua nacionalidade”.

REUTERS/Hannibal Hanschke

A chanceler alemã Angela Merkel afirmou hoje que “não há desculpa” para o ódio, a violência contra estrangeiros e o uso de ‘slogans’ nazis, na sequência dos protestos de extrema-direita e episódios violentos contra refugiados.

No seu discurso no Parlamento durante o debate sobre o Orçamento para 2019, Angela Merkel disse compreender a indignação dos cidadãos face aos atos violentos e assegurou que a justiça “vai recair sobre os culpados, independentemente da sua nacionalidade”.

Merkel referia-se à morte de dois alemães em dois incidentes separados nas últimas três semanas, tendo sido detidos quatro requerentes de asilo, e aos protestos de direita que polarizaram a sociedade alemã.

A morte por esfaqueamento de um alemão, a 26 de agosto, e a detenção pela polícia de dois suspeitos do crime, um iraquiano e um sírio, grupos de extrema-direita lançou uma “caça aos estrangeiros” nas ruas de Chemnitz, antiga cidade da antiga República Democrática da Alemanha (ex-RDA).

Os acontecimentos de Chemnitz estão a marcar a atualidade política que enfrenta um intenso debate sobre a entrada, desde 2015, de um milhão de refugiados no país.

Recomendadas
Respostas Rápidas: Que produtos foram afetados pelas tarifas dos EUA à China?
Em que ponto está a guerra comercial? Qual a lista de produtos impactados? Como reagiu a China? O que dizem os analistas? Segundo os cálculos do instituto alemão Ifo, estas tarifas irão travar o crescimento da China em 0,1 a 0,2 pontos percentuais e colocar a Europa numa posição mais forte.
Kim Jong-un diz que cimeira com Donald Trump estabilizou a segurança regional
O líder da Coreia do Norte enalteceu hoje a cimeira realizada com Donald Trump, presidente dos EUA, na medida em que estabilizou a segurança regional. Jong-un também disse que espera obter mais progressos na próxima cimeira inter-coreana.
China retalia Estados Unidos com tarifas de 60 mil milhões de dólares
A decisão surge horas depois de a Casa Branca dizer que os Estados Unidos da América iriam impor taxas alfandegárias às importações chinesas no valor de 200 mil milhões de dólares (aproximadamente 171 mil milhões de euros).
Comentários