Messi condenado a 21 meses de prisão por fraude fiscal

O El País avança a notícia de que o Supremo Tribunal espanhol terá ratificado a condenação de Lionel Messi a 21 meses de prisão por fraude fiscal. O pai do jogador também foi condenado, mas viu a pena anterior reduzida para 15 meses de prisão.

Lionel Messi

O Supremo Tribunal espanhol acaba de condenar Lionel Messi a 21 meses de prisão por fraude fiscal, adianta o El País. De acordo com o jornal espanhol o mais alto órgão judicial espanhol confirmou a sentença de julho passado do Tribunal Provincial de Barcelona, que dava como provados os três delitos fiscais de que Messi estava acusado e que haviam defraudado o Tesouro espanhol em 4,1 milhões de euros durante os exercícios de 2007, 2008 e 2009.

O pai do jogador do Barcelona, Jorge Horacio Messi, condenado com cúmplice. Viu a pena anterior ser reduzida para 15 meses de prisão, sendo aplicada uma atenuante por reparação do dano, uma vez que Messi devolveu à Fazenda espanhola o montante defraudado.

No entanto, e por a pena aplicada ser inferior a dois anos de prisão, o Tribunal Provincial de Barcelona pode decretar a sua suspensão.

Recorde-se que a defesa da família argentina assentava na alegação de que Lionel Messi havia confiado as suas obrigações fiscais ao seu pai e que este havia delegado esta responsabilidade nos seus assessores. No entanto, o tribunal de Barcelona declarou, na sentença, que o jogador havia atuado com “ignorância deliberada”, alegando que “o desconhecimento evitável não é um erro e não pode provocar uma descarga de responsabilidade”.

Recomendadas

Sporting: “Exigências financeiras” de Bas Dost estão a impedir saída para o Eintracht Frankfurt

O clube de Alvalade diz que “já alcançou um princípio de acordo” com os alemães e que o jogador já informou o técnico Marcel Keizer que queria deixar os ‘leões’.

PremiumTáticas para contratar: da desestabilização ao custo zero

Não deveria valer tudo para contratar mas existem clubes especialistas em manobras de aquisição dos melhores talentos. Curiosamente, ou não, esses emblemas são campeões crónicos nas suas Ligas.

“No hóquei em patins, somos como a irredutível aldeia dos gauleses”

Luís Sénica, antigo selecionador nacional de hóquei em patins e presidente da Federação de Patinagem de Portugal, realçou ao Jogo Económico a resiliência da modalidade ao longo dos anos. “Somos como a irredutível aldeia dos gauleses”, realçou o líder federativo.
Comentários