PremiumMetade da zona euro reduz défice no próximo ano

Alemanha e Holanda têm as melhores posições para aumentar despesa e estimular a economia europeia, mas vão ter excedentes orçamentais.

Mario Draghi quer, Kristalina Georgieva sonha, mas a obra de conseguir que a zona euro inicie estímulos orçamentais não nasce.

Segundo os projetos orçamentais enviados esta semana para Comissão Europeia, dez dos 19 países da moeda única vão continuar a reduzir o défice no próximo ano, mesmo com os sinais de abrandamento global da economia a intensificar-se. E alguns deles teriam posições favoráveis para iniciar políticas orçamentais contracíclicas – usar a despesa pública para aumentar a procura agregada e conter os efeitos da travagem económica internacional. É o caso dos países do Báltico, por exemplo: estão muito perto do equilíbrio orçamental e têm rácios de dívida pública muito baixos. O caso da Estónia é o mais extremo, com a dívida pública a representar apenas 8,4% do PIB.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

FMI mantém previsão de défice de 0,2% este ano e excedente de 0,1% em 2020

Instituição liderada por Kristalina Georgieva mostra-se assim mais pessimista para o défice deste ano do que o Governo, que no Projeto de Plano Orçamental 2020 enviado à Comissão Europeia, melhorou em uma décima a previsão para o saldo orçamental este ano.

Esboço orçamental falha défice estrutural imposto por Bruxelas

Défice estrutural deteriora-se em 2020, atingindo -0,5% do PIB. Conselho da UE fixou como objetivo um saldo nulo no próximo ano.
Recomendadas

“Mercados em Ação”: Assista ao programa desta semana

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.

UGT espanhola propõe um ano de teletrabalho para funcionários do Estado

Sindicato pretende regular o regime de trabalho com uma negociação coletiva. Após o confinamento, mais de metade dos funcionários públicos retomaram o trabalho de forma presencial.

Pandemia põe em risco mais de 40% dos empregos no Algarve, estima OCDE

A OCDE calcula que o emprego poderá cair, em média, entre 4,09% e 4,98% em 2020 nos países que fazem parte da organização, devido à pandemia, sendo que o impacto desta crise difere de país para país e até de região para região.
Comentários