Brexit: Metade dos britânicos acredita que o Reino Unido vai separar-se no espaço de 10 anos

A atual formação do Reino Unido remonta ao século XVIII, quando foi celebrado o chamado Union Act em 1707. Metade dos britânicos duvida que esta união continue a existir depois do Brexit.

Stefan Wermuth / Reuters

Após o resultado do referendo de 2016, que ditou o início do processo de saída do Reino Unido da União Europeia, vulgo Brexit, uma sondagem da Ipsos Mori aponta que metade dos cidadãos britânicos acredita que o Reino Unido deixará de existir no espaço de uma década, nas mesmas condições em que se encontra hoje.

De acordo com o estudo realizado pela empresa britânica de pesquisa e análise de mercado, 50% dos britânicos pensa que o Reino Unido deixará de existir em dez anos. O valor apresenta um aumento de sete pontos percentuais face aos 43% registados pela Ipsos Mori em 2014. Agora, apenas 29% dos britânicos rejeitam a ideia que a forma atual do Reino Unido se vai prolongar no tempo, um valor abaixo dos 45% registados há cinco anos.

“O povo britânico está agora muito mais dividido em suas expectativas quanto ao futuro do Reino Unido do que em 2014, quando o futuro da União [Inglaterra, a Escócia, o País de Gales e a Irlanda do Norte] estava enredada num debate com a Escócia, a apenas três meses de um referendo pela independência do país”, explicou a gestora da Ipsos Mori, Emily Gray, citada pela Reuters.

Os escoceses acabaram por rejeitar a independência do país face ao Reino Unido, em 2014 (55% contra; 45% a favor). Mas os resultados agora divulgados pela consultora, segundo Emily Gray,”serão preocupantes para aqueles que desejam que a Escócia permaneça no Reino Unido”.

Desde 2016, quando 52% dos britânicos (contra 48%) em referendo nacional decidiram pela saída do Reino Unido da União Europeia, que os laços entre Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte  estão pressionados. Sobretudo, quando a Escócia e a Irlanda do Norte votaram pela permanência no clube de Bruxelas.

A atual formação do Reino Unido remonta ao século XVIII, quando foi celebrado o chamado Union Act em 1707.

Atualmente, dado o impasse do Brexit, já há muitos britânicos que defendem a necessidade de um segundo referendo ao Brexit. O processo de saída do Reino Unido da União Europeia está ainda em fase de negociação dos termos, sendo que o último prazo estabelecido para a saída formal da Grã-Bretanha é o dia 31 de janeiro de 2020.

Para determinar os resultados do estudo, divulgado hoje, a Ipsos Mori inquiriu 1.001 britânicos com mais de 18 anos em toda a Grã-Bretanha nos dias 25 e 28 de outubro.

Ler mais
Recomendadas

Centeno “ministro” diz em Bruxelas que não espera tomar mais medidas

“Como ministro das Finanças de Portugal, não espero tomar mais medidas. Mas sim, estamos sempre prontos a adotá-las se necessário. E sim, estamos sempre a avaliar riscos. Esse é, aliás, um dos trabalhos mais importantes dos ministros das Finanças”, respondeu, em inglês.

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.

PremiumCarlos Zorrinho: “OE foi muito tático na forma como foi discutido e votado”

Eurodeputado eleito pelo PS entende que as abstenções do BE, PCP, PEV e Livre mostram vontade de continuar a negociar com o Governo. E defende uma transição digital e energética “mais justa” e concorda com propostas de redução do IVA da eletricidade.
Comentários