Microsoft ultrapassa um bilião de dólares em capitalização bolsista

A Microsoft junta-se assim à Apple e Amazon ao entrar no seletivo clube de empresas que conseguiram estar valorizadas em mais de um milhão de milhões de dólares (acima de um bilião de dólares) na bolsa norte-americana.

REUTERS/Lucy Nicholson

A Microsoft ultrapassou hoje, pela primeira vez, o marco de um bilião de dólares em capitalização bolsista, impulsionada pelos bons resultados trimestrais apresentados na quarta-feira, tornando-se na terceira tecnológica a atingir esta fasquia.

A Microsoft junta-se assim à Apple e Amazon ao entrar no seletivo clube de empresas que conseguiram estar valorizadas em mais de um milhão de milhões de dólares (acima de um bilião de dólares) na bolsa norte-americana.

Os títulos da tecnológica com sede em Redmond (Washington) ganharam 5% no início da sessão no Nasdaq e chegaram a atingir 131,37 dólares, acima da fasquia de 130,51 dólares necessários para atingir o marco.

Na quarta-feira, a Microsoft anunciou resultados do terceiro trimestre terminado em março acima dos estimado pelos analistas, com as receitas a subirem 14% para 30,6 mil milhões de dólares (cerca de 27,3 mil milhões de euros, à taxa de câmbio atual).

Os lucros subiram 18,6% para 8,8 mil milhões de dólares (7,8 mil milhões de euros).

Recomendadas

Saiba em que casos as empresas podem controlar trabalhadores com recolha de dados biométricos

Embora o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD), que foi entrou em vigor há um ano, proíba o tratamento de dados biométricos, há exceções previstas na lei que possibilitar às empresas usar esta informação para controlar a assiduidade dos trabalhadores. Saiba quais.

Sony e Microsoft juntam-se para desenvolver soluções de jogo na cloud

A parceria prevê também que a empresa nipónica utilize os data centers da empresa de Redmond com as atuais plataformas de gaming e streaming.

PremiumPortugal tem cinco mil postos de combustível para descontaminar

A legislação sobre os solos contaminados continua ‘engavetada’, e esteve em debate com vários especialistas na Agência Portuguesa do Ambiente.
Comentários