MIF 2019: “Esta é a oportunidade para promover os produtos portugueses na China”

Alberto Neto, presidente da Associação de Jovens Empresários Portugal – China, diz que a feira possibilita a promoção dos produtos portugueses no gigantesco mercado chinês. Este ano, participam na MIF 205 empresas portuguesas de vários setores.

A Feira Internacional de Macau (MIF) é uma oportunidade para os empresários portugueses promoverem os seus produtos e serviços para a China. Esta é a opinião de Alberto Carvalho Neto, presidente da Associação de Jovens Empresários Portugal – China (AJEPC), que sinaliza este evento no mercado macaense como o showroom desta associação para a China, onde estão já presentes mais de 200 empresários portugueses.

O empresário falou ao Jornal Económico à margem da 24ª edição da MIF, que se realiza em Macau entre 17 e 19 de outubro, sendo este o terceiro ano em que a feira é organizada pela Exposição de Produtos e Serviços dos Países de Língua Portuguesa (PLPEX). Alberto Carvalho Neto relembra que esta feira foi desde cedo uma feira muito importante para a AJEPC, porque possibilita “a capacidade de promover os nossos produtos com uma ligação institucional brutal com o Instituto Promoção e Investimentos de Macau” (IPIM). “O facto de estarmos em Macau permite-nos ter acesso a um tecido empresarial e relações institucionais que de outra forma não teríamos”, refere.

Com a organização a carga da PLPEX, o empresário destaca que o modelo passa por ser “uma feira dentro de uma feira, cujo futuro é dar mais impacto e sustentabilidade aos países da língua portuguesa, através deste networking com a China”, afirma Alberto Carvalho Neto.

O responsável recorda que quando a AJEPC começou a vir a Macau, ainda não era uma associação. “Entre 2007 e 2012, éramos grupo de empresários que trabalhava em conjunto para promover relações, onde a ideia era criar um networking entre jovens empresários que, trabalhando em conjunto, poderia reduzir os custos de participação. Só nos organizamos como associação em 2012, onde começamos a participar em feiras organizadas por esta ponte entre Portugal e Macau, promovendo o tecido empresarial português para a China, e o macaense e chinês para Portugal”, explica Alberto Carvalho Neto.

O responsável da AJEPC destaca que, a partir dessa data, a “associação foi crescendo nesse sentido, criando mais bases e parcerias com outras associações, bem como uma zona de pontes associativistas de forma a ter melhores relações internacionais”, realçando também o “impacto nas relações nacionais e networking entre as empresas de Portugal e China”.

O Jornal Económico está em Macau a acompanhar a MIF 2019, com uma equipa de reportagem. Siga-nos no site e na edição semanal do Jornal Económico.

Relacionadas

MIF 2019: Macau estuda mercado internacional para tomar decisão sobre bolsa de valores

Lionel Leong, secretário para a Economia e Finanças de Macau, afirmou que, para além de ser apreciada a realidade local, é preciso “estudar o mercado internacional”, bem como avaliar questões que vão desde o enquadramento jurídico e a formação de quadros, até à respetiva fiscalização da atividade.

MIF 2019: Macau ambiciona papel central nas relações entre a China e a lusofonia

A 24ª edição da Feira Internacional de Macau conta com as participações de 205 empresas portuguesas. Governo da Região Especial chinesa quer que Macau assuma um papel cada vez mais relevante na relação com os países de língua portuguesa. O JE está em Macau a acompanhar a MIF 2019, com uma equipa de reportagem.
Recomendadas

Vendas da Ibersol subiram 6,1% até setembro, mas lucros caíram 27%

Incluindo o efeito do aumento do salário mínimo, os custos com pessoal aumentaram 9,3% no período em análise.

CMVM aceitou um pedido de elisão de presunção de atuação concertada que tinha sido remetido pela Cofina

O pedido de elisão da presunção está previsto no número 5 do artigo 20º do Cód.VM e que prevê a possibilidade de uma sociedade “beneficiar da derrogação de imputação agregada de direitos de voto”. Em causa está o acordo da Cofina com a Prisa, atual acionista controlador da Media Capital para que os espanhóis lhe vendam as ações representativas de 94,69% do capital.

Ministério do Mar e associações de pescadores discutem abate de barcos

Ricardo Serrão Santos reuniu-se esta manhã com responsáveis de 14 associações nacionais de pesca, que alertaram o governante para a existência de embarcações obsoletas na frota pesqueira portuguesa quer devem ir para abate.
Comentários